Operador tucano fala em diário apreendido de Gilmar Mendes e de “anjo protetor Gi”

A situação do ministro Gilmar Mendes é a pior possível, nunca esteve tão ruim, tão infestada de atos e fatos que cogitam um lamaçal de imoralidades.

É lamentável e triste ver neste contexto de protagonismo um ministro da mais alta Corte do país.

Após o episódio com a Receita Federal, Gilmar volta novamente a todas as manchetes da imprensa brasileira.

Desta feita, por uma referência do “Diário da Prisão" de Paulo Preto, onde ele cita um suposto “anjo protetor Gi”.

Sim, o “anjo protetor” de um corrupto e vigarista.

Ele diz o seguinte sobre o período em que esteve preso pela primeira vez:

“(...) fui à missa pedir ajuda se possível ao meu Anjo Protetor Gi, para relaxamento da minha prisão (...)”.

Pessoas próximas de Paulo Preto dizem que o tal “Anjo Protetor Gi” seria uma referência a uma filha que faleceu quando criança. Procuradores da Lava Jato, no entanto, vêem referência ao magistrado.

O que se denota de todo o caso é que, independente de a quem Paulo Preto tenha se referido no diário, Gilmar tem realmente se comportando como um “anjo protetor”.

da Redação

Comentários