A quem atendem a OAB e o magistrado que suspendeu a investigação no caso Adelio

A linha de investigação mais robusta e que fatalmente poderia levar a Polícia Federal a desvendar o atentado praticado contra o Presidente Jair Bolsonaro, é aquela buscava desvendar a origem dos honorários recebidos pelo batalhão de advogados encarregados da defesa do criminoso.

Há poucos dias, após reunião havida entre Jair Bolsonaro, Sérgio Moro, a cúpula da Polícia Federal e o delegado que preside o inquérito do caso, ficamos sabendo que as investigações estavam se aproximando da reta final.

Surpreendentemente, nesta sexta-feira (1º) foi divulgado que, atendendo um pleito da Ordem dos Advogados do Brasil, o desembargador Néviton Guedes, do Tribunal Federal de Recursos da 1ª Região (TRF-1), determinou a suspensão da investigação da Polícia Federal que realizou buscas no escritório do advogado Zanone Manuel de Oliveira Júnior, o principal advogado de Adelio Bispo.

A decisão impede a PF de identificar quem está por trás da defesa do criminoso e que certamente tem interesse direto no caso.

Só para constar, vale salientar que a OAB é presidida atualmente por Felipe Santa Cruz, advogado com fortes laços com políticos do PT.

Já o desembargador Néviton Guedes, por sua vez, foi nomeado para o cargo pela ex-presidente Dilma Rousseff e é um ardoroso crítico da Lei da Ficha Limpa. É também o mesmo que recentemente suspendeu os interrogatórios de Lula e Luleco na Operação Zelotes e o responsável por derrubar a decisão do juiz Ricardo Leite que suspendia o funcionamento do Instituto Lula.

Otto Dantas

Articulista e Repórter
otto@jornaldacidadeonline.com.br

Comentários