Carta aberta de Daniela Mercury a Bolsonaro escancara hipocrisia e falta de vergonha

Em carta aberta a Jair Bolsonaro, Daniela Mercury expõe a SOFRIDA REALIDADE DOS ARTISTAS BRASILEIROS.

No texto, a cantora descreve o sofrimento de trabalhar por seis horas seguidas, em cima de um trio elétrico, cantando e dançando sem parar, e depois passar os próximos cinco dias fazendo duas horas diárias de recuperação do corpo e da voz.

Afirma, também, que -em vinte anos- pegou APENAS UM MILHÃO DE REAIS de verba pública, para realizar trios elétricos gratuitos que, segundo ela, dão prejuízo, apesar de receberem, também, patrocínios bastante generosos da iniciativa privada.

Para demonstrar o quão ínfima é a quantia, ressalta que, a cada carnaval, tem um retorno de mídia espontânea de 50 MILHÕES.

Sério, não consegui ler sem dar risada. Confesso que estou rindo sozinho, agora, enquanto escrevo esse texto.

Sofrimento? Trabalhar por seis horas, cinco dias de recuperação, milhões de reais???? Porra, Daniela, em que planeta você vive????

A dona Maria, aposentada, de 65 anos, que acorda as 4:30, porque tem que pegar quatro ônibus por dia, seis dias por semana, pra ganhar 1000 reais por mês e complementar a renda (porque o Lula tirou o brasileiro da pobreza), manda lembranças.

No mínimo, vocês deviam ter vergonha de encher (mais) seus rabos de dinheiro público, vindo do suor do povo trabalhador desse país.

Cambada de vagabundos!

(Texto de Felipe Fiamenghi).

Abaixo, a íntegra da carta:

“Sr. Presidente, sinto muito que não tenha compreendido a canção “Proibido o Carnaval”, que defende a liberdade de expressão e é claramente contra a censura. Mas acho que isso nem vem ao caso aqui porque percebo que há uma distorção muito grave sobre a lei Rouanet. Parece que ela ainda não foi compreendida. Por isso, me coloco à disposição para explicar como funciona o passo a passo dessa lei. E aproveito para tranquilizá-lo. Usei muito pouco de verba pública de impostos da lei Rouanet em cada projeto que tive aprovado.

Para que o senhor entenda, cada desfile de trio sem cordas (sem cobrança de ingresso, de graça para os foliões), custa cerca de 400 mil reais. Em 20 anos, eu tive apoio (TUDO DENTRO DA LEI) de cerca de um milhão de reais de verba de impostos da lei Rouanet. 1 milhão em 20 anos, ressalto!!! Dá cerca de 50 mil reais por ano, se assim dividirmos. Considere, sr. Presidente, que eu comecei o movimento de trios sem cordas, de graça para o público há 21 anos.

Eles custaram, por baixo, cerca de 10 milhões de reais! Se tive cerca de 1 milhão de verba pública nesses 20 anos, isso significa que o restante (9 milhões) paguei ou do MEU BOLSO diretamente ou com o patrocínio de empresas privadas. Em 35 anos de carreira, fiz muitas apresentações de graça no Brasil, bancadas do meu bolso. Essa fake news sobre a lei Rouanet criada na eleição não pode continuar sendo usada para desmerecer o trabalho sofrido e suado dos artistas brasileiros.

A arte, além de tudo, tem um valor imensurável e o retorno do nosso trabalho para a sociedade, para o turismo, pra a economia é gigante. Para que compreenda melhor, apenas com 1 ano do sucesso O Canto da Cidade (uma música “famosa” minha), Salvador ganhou 500 mil turistas a mais. Mais um exemplo: eu tenho cerca de 50 milhões de reais de retorno de mídia espontânea em cada carnaval de Salvador.

Esse retorno, a partir de minhas apresentações (6 horas por dia cantando e dançando sem parar nem para comer – somadas a mais 5 horas prévias de preparação – e mais 2 horas pós apresentação para recuperação da voz e do corpo – durante 6 dias seguidos) traz uma valorização gigantesca para a imagem da cidade, do estado e do país. Tudo isso estimula o turismo e turbina a economia. Tenho visto que estimular o turismo é um objetivo do senhor. Não se engane: trabalhamos muito.

Quando se ataca a arte de um país, quando se ataca os “artistas” brasileiros, se ataca a alma do povo desse país. Mereço respeito pelo que sou, pelo que represento e pelo que faço constantemente pela sociedade brasileira em diversas causas, não apenas na arte. Reitero aqui a minha disposição de conversar com o senhor e com sua equipe sobre a lei Rouanet. Se assim desejar, irei com minha esposa, que é também minha empresária, até Brasília para conversar com o senhor sobre o assunto. Abraços e feliz carnaval”.

Daniela Mercury Verçosa

da Redação

Comentários

Leia mais...