A politização de Jesus Cristo e o fracasso dos críticos da tradição religiosa brasileira

Politizaram Jesus Cristo!

Eu sei que não é de hoje que usam o nome de Deus para declararem guerras e conquistarem o poder, a história humana é permeada disso; mas no Brasil está constrangedor!

Você já deve ter ouvido alguém dizer "Se Jesus estivesse vivo ele seria de esquerda", por andar com os pobres, por não ter preconceitos, etc...

Assim como já ouviu "Jesus seria de direita", por ser mais conservador aos valores familiares, comportamentais, enfim...

Cada um puxa Jesus para o seu lado.

Até mesmo os ateus já reconheceram a força que a religião tem no poder de decisão política no país, prova disso foi a estranha visita de um par de candidatos ateus e abortistas numa missa de domingo. Lembram?

Manuela DÁvilla, Fernando Haddad e esposa participam de missa na Igreja do Jardim Ângela, na periferia da Zona Sul de São Paulo, em 12/10/2018.

O ato politico de tentar agradar aos católicos, (já que não podiam contar com o voto dos evangélicos), não me causou estranheza, o que surpreendeu foi um padre quebrar as rigorosas regras da Santa Igreja e dar a hóstia consagrada. Naquele domingo não importava se o candidato era casado na igreja, ou se "vivia em pecado", se era cristão, ou ateu, se havia confessado antes de receber a comunhão, ou há anos não pisava num confessionário, afinal, essas regras servem para católicos comuns do baixo clero, para os candidatos a presidência as regras podem ser adaptadas para lacrar em nome de Deus, porque naquele momento Jesus era de esquerda!

Em compensação, lá na ala dos evangélicos fervorosos, Jesus foi convocado para ser o cabo eleitoral do xará Messias que viria salvar seu povo. Pelo menos foram autênticos.

Regras são regras! Deixavam às claras que abortistas, defensores de liberação de drogas e quem faz apologia à crimes e liberação sexual, não eram bem vindos porque nesse momento Jesus era de direita.

Agora que já cutuquei os dois lados vou direto ao assunto:

Será que nem desconfiam que a ascensão da direita conservadora está intimamente ligada ao fortalecimento das igrejas evangélicas?

Não perceberam que os pastores vão até onde os padres não estão dispostos a ir?

Os pastores estão abraçando uma parcela da população no seu momento mais frágil, eles estão dispostos a ir "in loco" atender doentes, presos, alucinados, em situação de miséria e de rua. Enquanto a maioria dos padres aguardam na igreja para a Missa das cinco os pastores estão nos presídios, na Cracolândia, hospitais, clínicas e nas casas pela TV.

Não dá para menosprezar essa massa gigante de pessoas que encontraram na religião um novo ânimo! Muito menos desprezar o fato de que toda essa gente vota e elegeu um presidente que tem orgulho de ser Cristão.

Aí não adianta reclamar chamando a pessoa de "pobre de direita"! Quem fala isso ainda não entendeu o cenário atual, onde o que decidiu o voto de boa parte dos eleitores não foi a questão financeira, foi a religião e a empatia com as pautas morais que cada lado defendia.

Estamos assistindo uma sociedade se moldando assim:

Do lado esquerdo teremos abortistas, ateus, pró liberação da maconha, comunidade LGBTQ+, feministas e ativistas.

Do lado direito os cristãos, evangélicos e católicos cada vez mais convictos que elegeram o presidente certo porque ele é atacado por aqueles que atacam a figura de Cristo.

Está ficando insano...

Sem contar com a tentativa de santificar políticos mortos por milícia, mas isso é assunto pra qualquer dia desses, não para uma quarta feira de cinzas, pós carnaval, onde assistimos as escolas de samba financiadas pelo tráfico e pelo jogo do bicho, dando um show nas críticas sociais.

Quesito hipocrisia, nota dez!!!!

Raquel Brugnera

Pós Graduando em Comunicação Eleitoral, Estratégia e Marketing Político - Universidade Estácio de Sá - RJ.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários