Para desespero da “turma do mal”, China aumenta a demanda da soja brasileira

A demanda da China pela soja brasileira continua bastante aquecida e os números já apontam para exportações bem maiores que em 2018.

A programação de embarque de soja do Brasil para a China nos próximos meses segue forte.

Segundo um levantamento da Agrinvest Commodities, o Brasil já tem 14,66 milhões de toneladas comprometidas (embarcadas + nomeadas) no acumulado do ano, contra 12,8 milhões do mesmo período de 2018.

"O fluxo continua forte no Brasil, e o ritmo está mais acelerado do que no ano passado", explica um analista de mercado.

A soja brasileira também tem sido destaque no mercado internacional pela movimentação de alta dos preços e dos prêmios pagos.

Nesse sentido, Carlos Cogo, diretor da Cogo Inteligência em Agronegócio, observa que "os chineses estavam mesmo esperando a chegada da nova safra da América do Sul para voltarem às compras", o que reafirma os números recordes das exportações de soja do Brasil no primeiro bimestre de 2019 de 8,245 milhões de toneladas, 86% maiores do que no mesmo intervalo do ano passado.

"Com isso, os prêmios tendem a continuar subindo nos portos, e já vimos os meses mais adiante com valores mais altos, o que mostra a força da demanda pela soja brasileira", afirma Cogo.

Enquanto isso, para desespero da ‘turma do mal’, o aventado acordo entre China e Estados Unidos, que poderia eventualmente prejudicar a exportação brasileira, está, por enquanto, apenas no terreno da especulação.

Fonte: Notícias Agrícolas

da Redação

Comentários