A tragédia de Suzano e o oportunismo dos desarmamentistas

Não se combate criminosos com pombinhas brancas, balões de gás e caixas de som tocando "Imagine".

Tragédia em Suzano. Dois jovens entraram atirando em uma escola e fizeram várias vítimas, nesta quarta-feira (13/03). Segundo a polícia, usaram um revólver e uma besta. Que Deus conforte as famílias das vítimas.

Agora é só ver a enxurrada de idiotas que vão relacionar o caso ao governo Bolsonaro, por ele ser contra o desarmamento, como se o presidente fosse a favor de bandidos ou dissesse que criminosos são vítimas da sociedade.

Há também os que vão relacionar o problema com a existência de armas, como se a culpa não fosse de quem as usa. É como afirmar que a culpa dos acidentes de trânsito, por exemplo, é dos carros, não dos motoristas. Não adianta culpar videogames ou a convivência em áreas de instabilidade social. A esmagadora maioria das pessoas expostas a isso não se tornam criminosas. O crime é uma escolha de uma pequena minoria.

Os defensores do desarmamento não entendem que faltou ali não pombinhas da paz ou caixas de som tocando “Imagine”. Faltou segurança armada capaz de responder aos ataques com o devido poder de dissuasão.

Não adianta sonhar com um mundo livre de armas, onde todo mundo é pacífico, vegano, anda de bike e só consome orgânicos. Há malucos em todas as sociedades e eles sempre encontram meios de fazer o que querem, mesmo que paguem com a vida.

A realidade estapeia nossas faces diariamente, e não faltam exemplos em maior escala na história: sociedades mais frágeis são quase sempre dominadas por aquelas que são militarmente mais fortes e agressivas. Podem anotar (à mão, para fixar melhor): não existe paz sem armas.

Essa ojeriza a armas é uma evidência da fragilidade estimulada por quem quer ver o povo refém de governos e de criminosos.

Foi-se o tempo em que virtudes como honra e coragem eram estimuladas. Agora é tempo de cordeirinhos que se ofendem com palavras e querem combater criminosos soltando pombinhas e balões brancos.

Ter armas não é garantia de nada, mas não tê-las é garantia de não ter opção diante de alguém armado. Por isso esse tipo de assassino sempre prefere escolas, não quartéis.

Enfim, mais um dia triste e trágico neste início de 2019. Rezem pelas vítimas e pelas famílias delas.

Herbert Passos Neto

Jornalista. Analista e ativista político.

Comentários