TCE

A oposição é necessária! A perseguição, não

Usem como exemplo os quatro mandatos do PT para entender essa afirmação.

Não existia oposição! Todos os partidos estavam satisfeitos com seus cargos e mesadas, então, para que se opor se o povo estava calado e os bolsos estavam cheios?

PT só teve um opositor de fato, um certo deputado polêmico, uma mistura de Enéas com Capitão América que vivia nervosinho porque ninguém votava a favor dos seus projetos pra não dar visibilidade a ele. Foi uma voz isolada que andava gritando nos corredores do congresso para denunciar coisas que hoje nós também denunciamos.

Sabemos diferenciar OPOSIÇÃO de PERSEGUIÇÃO!

Enquanto houver OPOSIÇÃO estaremos seguros porque eles irão investigar e denunciar, será a garantia que teremos o governo menos corruptível da nossa história. (Já imaginaram Bolsonaro ganhando um sítiozinho, uma reforminha num triplex, uma malinha de dinheiro aqui, outra ali... Será que passaria despercebido?)

Contudo, enquanto houver PERSEGUIÇÃO haverá pessoas comuns fazendo papel de advogados de defesa, por não admitirem que uma emissora de TV e um partido político decidam qual é a notícia que deve nos chocar e qual devemos ignorar.

Hoje a esquerda se aliou aos seus inimigos históricos, a imprensa, que segundo os petistas, perseguiu e derrubou o Lula.

É patético, mas andam dormindo abraçados.

O mais interessante é que quando o atual governo erra, a própria direita que o elegeu o cobra e só descansa quando o presidente volta atrás na decisão; já a esquerda não admite que um dos seus errou.

Há um mar de diferenças entre petistas e bolsominiuns. Enquanto os petistas são submissos ao seu líder e acobertam seus erros, a direita beira a prepotência e quer governar junto com seu presidente.

E os Ciristas? Bem, os Ciristas odeiam os dois lados e querem ver o circo pegar fogo para que seu candidato tenha chances na próxima eleição, (muito embora o desafio de Ciro será primeiro se recolocar dentro da própria esquerda e superar o sucessor de Lula que já desponta no horizonte, Marcelo Freixo) mas isso é assunto para outro capítulo...

Raquel Brugnera

Pós Graduando em Comunicação Eleitoral, Estratégia e Marketing Político - Universidade Estácio de Sá - RJ.

Comentários