Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor (federal) aposentado pelo Banco Central do Brasil, residindo atualmente em Balneário Camboriú(SC), mas com título eleitoral do Rio Grande do Sul.

Tudo no colo do contribuinte

É constrangedor o governo basear o seu plano de desenvolvimento na cobrança provisória de um imposto. É melancólico assistir ao governo implorar pelo retorno da CPMF, cujo instrumento já fora reprovado pela sociedade. Parece até que se escafederam as cabeças pensantes da administração petista.
A CPMF foi um cambalacho aplicado no passado pelo governo FHC, que depois o PT assimilou. Por acaso, alguém conhece o montante da contribuição arrecadado e devidamente empregado em sua finalidade? Por exemplo, o SUS sempre foi um caos, mesmo no período da CPMF. 
Agora, o governo quer destinar a arrecadação para a Previdência Social. Fala-se em previdência deficitária, mas não existe nenhum laudo auditado mostrando, por exemplo, a entrada e saída das contribuições, e nem os devedores da previdência. 
Chega de onerar e espoliar a população. Sempre imposto sem serviços públicos de qualidade. Novamente o governo quer jogar no colo da sociedade a responsabilidade por seus erros.  
O governo não corta na carne as despesas extravagantes públicas. A  ilha da fantasia, Brasília, é um ninho de desperdício do dinheiro público. São miríades de cargos comissionados e mordomias. Por exemplo, nos Três Poderes não há enxugamento de despesas, e o governo federal não tem coragem de conversar com os demais poderes para reduzir o gigantismo da máquina pública. 
É uma temeridade vincular uma contribuição provisória à saúde previdenciária e de outras despesas. Só que essa receita provisória no porvir passará a ser definitiva. E já existe ministro defendendo que a CPMF seja cobrada nas duas pontas, um absurdo! 
Por que tudo no colo do contribuinte? Por que os bancos, que faturam muito, não são convocados também a contribuir com o país neste momento de crise? E parece piada ouvir de alguns políticos, que vivem das mordomias e sinecuras, que a CPMF representa apenas uma pequena  contribuição que nem vai ser sentida no bolso. Trata-se, como se observa, de opiniões irresponsáveis, vindas de quem demonstra não ter estatura  para representar a sociedade brasileira. 
Finalmente, por que o governo não cobra as dívidas dos grandes devedores do país? Por que o governo, por exemplo, facilita as dívidas fiscais de clubes de futebol, que continuam a pagar altos salários a técnicos e jogadores? 
Júlio César Cardoso

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor (federal) aposentado pelo Banco Central do Brasil, residindo atualmente em Balneário Camboriú(SC), mas com título eleitoral do Rio Grande do Sul.

Siga-nos no Twitter!

Mais de Júlio César Cardoso

Comentários

Notícias relacionadas