Cláudia Cruz, a esposa de Eduardo Cunha, de âncora do Fantástico para o banco de réus

Cada um escolhe o seu caminho... Foi o que fez a lindíssima jornalista Cláudia Cruz.

Ela iniciou suas atividades profissionais na Telerj, onde conheceria Eduardo Cunha, presidente da empresa no governo do ex-presidente Fernando Collor, que se apaixonou pela bela jovem.

A convivência com Cunha, resultou em namoro, mas Cláudia, independente, buscou trilhar sua própria trajetória profissional.

Da Telerj foi para a Rede Globo do Rio de Janeiro, em 1990, onde passou a apresentar o telejornal 'Bom Dia Rio'. No ano de 1992 assumiu o Jornal Hoje. Na sequência, apresentou  o Globo Ciência, Globo Comunidade, Jornal da Globo, até atingir o ápice da carreira como âncora do Fantástico.

Quando os dois começaram a namorar, quase vinte anos atrás, foi um espanto generalizado, ela um rosto conhecido e admirado como apresentadora da Globo, ele um sujeito sem graça, sem carisma e petulante. O que ela viu nesse cara? É o que todos se perguntavam.

Cunha tem uma característica inegável, é um grande manipulador. Assim, manipula eleitores e na presidência da Câmara manipula deputados. 

Uma vez marido de Claudia, fez a jovem deixar a promissora carreira para se tornar sua sócia e parceira em atividades ilícitas.

O deputado, da mesma forma que fez a jornalista abandonar a carreira, utilizou-a para esconder os seus ganhos ilegais. Cláudia, hoje com 48 anos, era a titular de uma das contas de Cunha na Suíça. Cerca de R$ 9,6 milhões já foram bloqueados no exterior. Por decisão do STF, o dinheiro será transferido para o Brasil para uma conta judicial.

Cláudia Cruz optou por uma uma vida de luxo e perdulária proporcionada pelo dinheiro fácil. Agora, terá que enfrentar o banco de réus... 

                                          https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online. 

da Redação

Comentários