Enterrar a reforma da previdência é a estratégia da esquerda para retomar o poder

Votar contra a reforma da previdência não é um simples devaneio ideológico. Não é um surto juvenil de gente que chegou à Câmara sem antes sair da adolescência. Não é uma prova cabal de preocupação com os mais pobres e necessitados.

No fundo, ser contra a reforma se resume à CANALHICE, englobando duas questões.

Em primeiro lugar, a manutenção dos privilégios da casta dos "servidores" e, em segundo, a estratégia de retomada do poder pela esquerda.

A conta é simples:

"Não aprovamos a reforma, quebramos a economia, colocamos a máquina de difamação da imprensa para culpar os acordos com EUA e Israel pelo debacle, derrubamos a popularidade do presidente e pimba: lacra 13 em 2022."

Esperar que qualquer esquerdista opte por não destruir o país em detrimento de um projeto de poder totalitário e criminoso é esperar o que nunca foi e nunca será.

Otto Dantas

Articulista e Repórter
otto@jornaldacidadeonline.com.br

Comentários