A Trágica realidade dos criminosos adolescentes... O que fazer?

O crime mais cometido pelos jovens infratores é o tráfico de drogas.

O garoto morava na favela de Manguinhos, na Zona Norte do Rio de Janeiro, saia a pé de casa todos os dias, pegava o metrô e saltava nas estações da zona sul. A meta do dia era ao menos roubar uma bicicleta, não poderia voltar para casa a pé. E, em regra, conseguia cumprir o seu objetivo. A policia encontrou 12 bicicletas na casa do bandidinho. A escola já havia abandonado há muito tempo. Entrou de cabeça no mundo da criminalidade.

Na dia 19 de maio, levou mais uma bicicleta... Pertencia ao cardiologista Jaime Gold. Junto com a bicicleta, levou também a vida do médico.

A dura realidade é que casos como este são comuns nos dias atuais. 

Esse menino, assassino do médico, já tinha 15 passagens pela polícia, todas por outros crimes, agora aumentou a sua lista, é também um latrocida. O crime mais cometido pelos jovens infratores é o tráfico de drogas. 

Segundo as investigações da Divisão de Homicídios (DH), quando o bandidinho esfaqueou Gold, o assalto não havia sido sequer sido anunciado. 

Os casos se repetem: são meninos pobres, que abandonam a escola, e, em sua grande maioria, cometem pequenos delitos, como furto de cordões e de bicicletas, até começarem a cometer crimes de maior gravidade.

Se não receber uma sentença em 41 dias, conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente, o jovem ganha novamente as ruas. E um novo ciclo recomeça...

Enquanto nos quatro primeiros meses do ano passado, 2.445 menores foram detidos, neste ano o número chega a 3.141 — um aumento de 28%.

Só neste ano, duas histórias deram contornos mais trágicos aos números. Em março, um menino de apenas 6 anos foi apreendido por PMs da UPP Mangueira, após roubar um colar de ouro em São Cristóvão. Já em janeiro, Patrick Ferreira Queiroz, de 11 anos, foi atingido por um tiro de fuzil na axila disparado por policiais da UPP do Lins, dentro da favela da Zona Norte. O menino foi acusado de portar um revólver e de ter tentado atirar contra os agentes.

O médico foi assaltado e morto na noite de terça-feira. Ele pedalava na ciclovia da Lagoa Rodrigo de Freitas, fazia a sua ginástica, foi esfaqueado sem tempo e possibilidade de qualquer reação.

da Redação

Comentários