Barraqueira “de carreira”, Kátia Abreu se vitimiza e cria “histeria” contra Paulo Guedes (veja o vídeo)

Durante a passagem de Paulo Guedes pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, o ministro estranhou-se com a senadora Kátia Abreu (PDT).

A vice de Ciro Gomes nas eleições de 2018 tentou interromper Guedes para fazer um aparte completamente irrelevante: o ministro acabara de afirmar que alguns políticos podem se aposentar ganhando vinte vezes mais do que um trabalhador, o que é absolutamente verdade, dado que o salário mínimo atual é de R$ 954,00 e o teto dos políticos pode chegar aos R$ 33.700,00.

Katia quis fazer um aparte para simplesmente dizer que políticos não se aposentam ganhando “trinta vezes mais do que ninguém”, o que mostra que nem mesmo ouvindo direito o ministro ela estava. E como se essa informação tivesse qualquer peso para a discussão, tentou minimizar a absurda lacuna existente entre os políticos e os “cidadãos comuns”.

Guedes, que encontrava-se em meio ao raciocínio, tentou manter a palavra para concluí-lo:

“Por favor, posso falar? A senhora terá o seu horário.”

Foi o suficiente para que a senadora criasse uma histeria completamente desnecessária.

O senador Omar Aziz, que presidia a seção, se prontificou em acolher o sentimento de ofensa da senadora, repreendendo Guedes e falsamente acusando-o de têla mandado “calar a boca”. Guedes partiu para a defensiva, negando ter usado tais termos.

Por fim, Kátia não demorou a abraçar a mentira criada por Aziz e insistiu:

“Mandou calar a boca sim!”

Confira no vídeo:

Kátia parece fazer questão de criar confusões desproporcionais e tem feito carreira com “barracos no Congresso”.

No início de fevereiro, durante a sessão que definiria a eleição do presidente do Senado, Kátia roubou a pasta de respostas regimentais às questões de ordem. Depois, bipolar, levou flores ao presidente eleito Davi Alcolumbre.

da Redação

Comentários