Esquerda será abalada por filme sobre governo militar que será lançado neste domingo

“1964: o Brasil entre armas e livros” estréia dia 02/04 no YouTube com documentos do serviço secreto comunista

O documentário “1964: O Brasil entre armas e livros” vai colocar o Regime Militar em nova perspectiva. O filme traz a público informações do serviço de inteligência do bloco comunista do leste europeu, que foram preservadas da extinta Tchecoslováquia.

Para a extrema-imprensa (que ainda não viu), o filme faz “revisionismo histórico” e “apologia a ditadura”. Mas não é isso. O filme resgata e revela recortes que não encontram espaço na mídia e na produção cultural porque são áreas dominadas por pessoas que simpatizam com a “democracia” cubana.

A produção deixará esquerdistas chateados, mas a julgar pelos profissionais que sei que trabalharam nela, acho muito difícil que haja alguma apologia ao governo militar. Pelo contrário, acho mais fácil haver críticas pertinentes que conservadores e liberais costumam fazer ao período.

Ironicamente, os mesmos que alegam que sofreram censura e foram perseguidos pelo aparato coercitivo do Estado, hoje clamam para que o Estado impeça manifestações que não sejam para condenar o que a mídia chama de “golpe”, mas que para muitos militares foi uma revolução democrática.

Minha aposta é que o filme vai desmontar e atropelar parte das versões preferidas da militância esquerdista, mas não deixará de apontar problemas dos militares, como, por exemplo, o fato de não terem percebido (ou terem deixado) a esquerda se infiltrar na educação na cultura. Me cobrem.

Agora é aguardar. Dia 31/03 será a pré-estréia em algumas capitais e 02/04 será liberado no YouTube do Brasil Paralelo. Se você é universitário, prepare os lencinhos, pois muitas faculdades vão parecer berçários após a repercussão, principalmente as federais.

Quem ainda não conhece, enquanto aguarda aproveite para conferir as produções já liberadas no canal, principalmente a série Brasil - A Última Cruzada. Já quem tem uma moeda para investir, considere assinar o conteúdo pago. É bem legal. Recomendo.

Herbert Passos Neto

Jornalista. Analista e ativista político.

Comentários