Primeira dama da Venezuela tem agenda de líder estadista nos Estados Unidos

A viagem incluiu encontro com o Presidente Donald Trump.

A Venezuela foi bem representada essa semana nos Estados Unidos.

Fabiana Rosales, esposa do Presidente interino Juan Guaido, estava visivelmente pisando em terreno desconhecido, era evidente a falta de intimidade com as tarefas que ela desempenhou em Washington e Miami.

Mas, a circunstância fez a líder. Afinal, foi igualmente visível que ela lidou bem com a situação e aproveitou a enorme massa de compatriotas insatisfeitos com a situação dos seus familiares em território nacional para mandar um recado.

“O povo não aguenta mais ser liderado por Maduro”, disse em uma tentativa relativamente bem sucedida de fazer discurso inflamado após a reunião com Trump.

Na quarta-feira o encontro foi em Washington com Donald Trump. Foi recebida exatamente com a mesma pompa que o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

Ela também esclareceu que os poucos membros da comunidade internacional que ainda apoiam a ditadura de Maduro, apesar de serem relevantes, estão cada dia mais isolados.

Na sexta (29), já em Miami, Rosales recebeu chave da cidade das mãos do prefeito Rick Suarez. Estiveram presentes no evento todos os representantes federais – deputados e Senadores – além de várias personalidades e líderes da comunidade local que fugiram da Venezuela.

A sede da prefeitura, localizada em Brickwell estava absolutamente lotada.

Frases de efeito “Fuera Maduro” e “Dios bendiga Guaido” (Deus abençoe Guaidó, em tradução livre), eram ouvidas a todo instante, a homenageada se limitou a agradecer as manifestações de carinho e falar que recebe o povo venezuelano na Florida está presente em seu coração.

No Sábado (30), a primeira dama esteve presente em um mutirão para arrecadação de remédios, alimentos e outros itens de necessidade básica.

O evento aconteceu em um galpão localizado na 11421 NW 107th St e o Jornal da Cidade chegou no local às 15:43 horário local. Nesse momento o trabalho ocorria em ritmo acelerado. Com um volume alto de doações e uma logística bem organizada, quem chegava para entregar alguma coisa nem precisava sair do carro.

Nessa ocasião Rosales estava visivelmente mais confortável. Entre seguranças, voluntários e imprensa, cerca de 50 pessoas cercavam a visitante ilustre, dessa vez frases como “gracias por venir” se misturavam as do dia anterior.

A estrela do evento fez questão de dar, no mínimo, um aperto de mão em cada um dos cerca de 150 voluntários que recebiam, organizavam e armazenavam as doações.

Também falou com algumas das pessoas que deixavam suas doações. E disse que os produtos arrecadados encheriam de alegria e esperança os familiares dos venezuelanos presentes no local.

da Redação

Comentários