TCE

Por diminuição de pena, Lula usa tese de Moro para reverter condenação

O inusitado e inevitável acontece.

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em recurso impetrado junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) admitiu o crime de corrupção passiva.

Trata-se de uma tese defendida por Cristiano Zanin, na tentativa de conseguir reduzir a pena do ex-presidente.

No recurso proposto, a alegação é de que não houve lavagem, apenas o primeiro crime, nos moldes da tese desenvolvida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no episódio do mensalão.

Na época, réus do mensalão foram absolvidos do crime de lavagem de dinheiro, pois fixou-se o entendimento que esse crime era apenas a conclusão do crime de corrupção.

Lula tenta a mesma estratégia. Se vingar, com a pena diminuída ele terá o benefício da prisão domiciliar.

De qualquer forma, finalmente Lula admite que é um “ladrão”.

Resta saber se algum petista irá acreditar, mesmo isto tendo sido dito pelo próprio meliante.

ERRATA: O texto acima foi publicado originalmente com o título "Por diminuição da pena, Lula finalmente admite corrupção". O texto porém fazia uma interpretação errônea de informações imprecisas veiculadas por outros órgãos de imprensa. O que a defesa do ex-presidente Lula fez, na verdade, foi argumentar que Lula foi julgado por dois crimes (corrupção passiva e lavagem de dinheiro), quando deveria ter sido julgado apenas por um (corrupção passiva). No entanto, no recurso apresentado pela defesa ao STJ, a mesma também questiona a condenação por corrupção.

da Redação

Comentários