Grande mídia não menciona "intolerância religiosa" sobre ataque aos cristãos no Sri Lanka

"Sri Lanka afirma que grupo islamita é responsável por ataques deste domingo", diz site da Jovem Pan, na manhã desta segunda-feira (22/04). Nossa! Quem poderia imaginar?

Agora vejam alguns títulos da mesma notícia em outros veículos:

O Globo: Sri Lanka atribuiu atentados a grupo islâmico e investiga conexões internacionais.

A Band News: Governo do Sri-Lanka diz que um grupo islamita local foi responsável pelos ataques.

UOL: Governo acusa grupo islamita de estar por trás dos atentados do Sri Lanka.

Istoé, Veja e outros: Sri Lanka acusa movimento islamita por atentados no domingo de Páscoa.

Correio 24 horas: Grupo islamita está por trás dos atentados no Sri Lanka, diz porta-voz do governo.

São só alguns exemplos de muitos casos parecidos. Repararam? Sempre usam termos como "atribuiu", "diz que", "acusa", "culpa", entre outros, para não dizerem explicitamente que se trata de ataques terroristas islâmicos. Só nos textos de algumas reportagens dizem que a informação está confirmada.

Esse "cuidado" até poderia ser compreensível, mas ele não é visto, por exemplo, nas notícias sobre qualquer coisa que envolva Bolsonaro, onde afirmações são feitas de forma explícita nas chamadas, ainda que nos textos nem sempre haja o que confirme os títulos.

Sobre Sri Lanka, a palavra "terrorismo" raramente aparece fora de declarações de fontes. Afinal, um jornalistinha justiceiro social diplomado que se preze não pode escrever palavra tão agressiva. Palavras machucam esses serezinhos sensíveis. Preferem chamar de "atentados suicidas".

O pior é que as fezes disfarçadas de notícias não param de escorrer. Na Globonews, na manhã de hoje, as jornalistas disseram que "explosões aconteceram" e que foi uma tragédia. Nenhuma palavra delas sobre terrorismo em quase 10 minutos de rebostagem.

Terroristas islâmicos matam centenas de cristãos no Sri Lanka durante a Páscoa. Este seria um título honesto. Mas a maior parte da mídia não faz nenhuma menção à intolerância religiosa quando os alvos são cristãos.

Herbert Passos Neto

Jornalista. Analista e ativista político.

Comentários