Mídia fabrica matéria sobre "pior mês de março" para criar atmosfera anti-Bolsonaro (veja os gráficos)

As redes sociais rapidamente foram infestadas na manhã desta sexta-feira (25) por matérias da mídia corporativa tradicional alardeando o pior saldo de empregos formais “para o mês de março desde 2017”. Apesar das informações serem verdadeiras, como veremos, a matéria foi cuidadosamente fabricada, selecionando dados a dedo, com o único objetivo de criar uma atmosfera anti-Bolsonaro.

A militância de esquerda, por sua vez, fez o trabalho sujo de disseminar as notícias tendenciosas.

A escolha do mês de março é justificável, já que se trata do período com os dados mais recentes, porém, as matérias fazem questão de mencionar que este é o “pior mês desde dos 2017”. Por que exatamente é escolhido o ano de 2017 como ponto de partida? Como podemos ver no gráfico abaixo, os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) , em março de 2017, o saldo de empregos já havia sido pior que o de março de 2019: - 63.624 contra - 43.196. Assim, o saldo de março de 2019 só fica pior em relação a março de 2018, quando houve um saldo positivo de 56.151.

CAGED: Março
CAGED: Março

O interessante é que, ao escolher como ponto de partida 2017, a matéria deixa de fora o mês de março de 2016, quando Dilma Rousseff ainda era presidente. Naquele ano, o mês teve o pior resultado dos últimos 4 anos. Mas esse dado não era conveniente, aparentemente.

Agora tratemos de outra questão: quais foram os resultado comparativos referente aos outros meses em que Bolsonaro esteve no governo? Em janeiro, por exemplo, o saldo de empregos formais foi o segundo melhor desde 2012, ficando atrás apenas de janeiro de 2018, sob Michel Temer.

CAGED: Janeiro
CAGED: Janeiro

Fevereiro de 2019, por sua vez, teve o melhor resultado desde 2014. Porém, os veículos tradicionais não perderam tempo com isso.

CAGED: Fevereiro
CAGED: Fevereiro

Mas é preciso fazer justiça: apesar das medidas enérgicas do governo para economizar, reformar e destravar a economia, o que se observa, nesses três primeiros meses de governo Bolsonaro ainda apresenta influência de medidas tomadas sob o governo de Michel Temer. Além disso, as incertezas que pairam ainda sobre a Reforma da Previdência deixam os investidores com os dois pés atrás.

Portanto, o que se observa é uma clara seleção tendenciosa de dados e a fabricação de manchetes com intenções negativas, deixando o jornalismo de lado para dar lugar a uma propaganda de descrédito de um governo que vem, apesar de todos os entraves internos e externos, finalmente tentando combater os problemas econômicos do país de frente.

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários