O vice na contramão

No rastro das asneiras proferidas pelo vice-presidente Hamilton Mourão desde que assumiu o cargo, resta uma dúvida crucial:

A quem serve mesmo Mourão?

E serão mesmo asneiras simplesmente?

Na semana passada a posição mais do que dúbia de Mourão bateu de frente com Carlos Bolsonaro e Olavo de Carvalho.

Bolsonaro e Olavo não pouparam críticas ao vice que por sua vez não poupa o próprio presidente -a quem deveria servir- demonstrando uma estranha e suspeita independência.

Carlos, o 02, afirmou que o cargo de vice ‘caiu no colo’ de Mourão.

Nada mais correto.

Basta lembrar que a figura mais cotada para o cargo era Janaína Paschoal, que acabou não aceitando, abrindo a vaga.

Mourão, além de criticar abertamente Bolsonaro, em seus afagos com a imprensalha que adora, elogia comunistas notórios como Chico Mendes, se encontra amavelmente com lideranças da CUT, critica a despetização da Casa Civil (afirmando que petistas poderiam ser tratados com mais ‘carinho’), é contrário à privatização dos Correios e se auto proclama porta voz de Bolsonaro para ‘coisas que o presidente não pode falar’....

Entre outras quimeras.

Mas o pior é sua critica à ‘polarização’, discurso típico da esquerdalha, onde defende que Bolsonaro deve abandonar a pauta conservadora e se dirigir mais para o centro.

Ora, foi justamente a pauta conservadora que deu a vitória e os votos dos brasileiros à Bolsonaro.

Desistir dessa pauta seria literalmente trair a confiança dos milhões de brasileiros que votaram no presidente.

Seria, numa analogia simples, a mesma ‘Carta aos Brasileiros’ divulgada por Lula logo após ser eleito, onde ele desiste de seu padrão radical, se aproxima dos globalistas e inaugura a maior era de corrupção e roubalheira da história deste país.

Mourão não é uma criança e a treta que arma não parece ser apenas besteira. Parece ser estratégia.

Uma estratégia para formar um governo dentro de outro, para mais tarde tomar o poder.

A simples aproximação com FHC - e os elogios rasgados do ex-presidente ao general - já são bem significativos.

FHC é uma figura nefasta para o país e para a sociedade brasileira.

Mourão, saindo do nada, parece não se conformar em ser vice.

Parece querer ser o numero um.

Se esquece que, para isso, teve zero votos.

Nenhum brasileiro votou em Mourão.

Os brasileiros votaram em Bolsonaro.

E é ele, apenas ele, que queremos como mandatário da nação.

Em tempo: a atuação duvidosa de Mourão fica mais significativa quando consideramos este difícil início do governo Bolsonaro e o momento delicado de aprovação da reforma da Previdência.

Marco Angeli Full

Artista plástico, publicitário e diretor de criação.

Comentários