Advogados da fina flor da bandidagem homenageiam Toffoli, que abre fogo contra a Lava Jato

Os advogados mais bem pagos do Brasil, aqueles que prestam serviços para a nata da bandidagem nacional, ofereceram um jantar nesta sexta-feira (3) para o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli.

Toffoli afirmou aos advogados que não se pode ter excessos no Judiciário, em clara alusão a Lava Jato, vez que o tom das críticas eram questões como a condução coercitiva e prisões preventivas prolongadas, extremamente utilizadas na operação.

E os ataques à Força Tarefa prosseguiram:

“É preciso defender a democracia, é preciso sim defender o Supremo Tribunal Federal, é preciso sim defender o Judiciário brasileiro, é preciso sim defender o Ministério Público, a advocacia privada, a advocacia pública, a Defensoria Pública. O que não se pode são os excessos. O que não se pode é querer, superando os limites legais e constitucionais, ser o dono do poder, criando inclusive, do nada, recursos para tal finalidade. Recursos que deveriam voltar à União, ao Estado.”

Logo Toffoli, falando em excessos...

"Este é o mais vigoroso e contundente ato contra as anomalias jurídicas da Lava-Jato realizado até agora. Todo mundo que importa na advocacia está aqui", teria dito um dos presentes, segundo informou a Revista Época.

O jornalista Augusto Nunes definiu com precisão o encontro:

“Só num Brasil degenerado pela era petista pode acontecer uma coisa dessas: advogados de bandidos homenageando o STF num jantar em São Paulo, sem que haja nenhum motivo para isso - a não ser, é claro, o interesse em garantir a simpatia de juízes que em breve julgarão seus clientes.”
da Redação

Comentários