Haddad, o poste de Lula, agora é discípulo de Dilma

Fernando Haddad já deu demonstração de sua mais absoluta incompetência.

Prefeito da maior capital do país, um cargo que simplesmente caiu no seu colo, administrou a cidade com o PT no comando do governo federal. Ou seja, poderia ter feito uma grande gestão.

Não. Foi um prefeito medíocre. Sem qualquer realização de peso, com acusações de que não gostava de trabalhar, raramente era visto no prédio da prefeitura no período da manhã e um saldo de 32 processos por improbidade administrativa e corrupção.

Porém, coube ao inigualável jornalista Augusto Nunes, a melhor definição sobre o ‘marmita’ de presidiário. Veja abaixo:

Disse Haddad:

“A cada dia, o próprio governo vai dilapidando o seu patrimônio eleitoral. Não há nenhuma diferença entre o que o Bolsonaro faz e o que o Temer tentou fazer. É a mesma agenda econômica: corte de direito social, direito trabalhista e direito previdenciário. É um governo antipopular e antinacional. Nós não vamos ter paz e justiça enquanto Lula estiver preso.”

Augusto Nunes:

“Fernando Haddad, sem emprego conhecido desde outubro, reforçando a suspeita de que andou tendo aulas de lógica com Dilma Rousseff ao afirmar que o governo Bolsonaro é ruim e a reforma da Previdência não pode ser aprovada porque Lula está preso.”

Perfeito!

da Redação

Comentários