O texto misterioso compartilhado por Bolsonaro e a trama que envolve o Congresso Nacional

Vamos de resumão pra entender o Brasil...

- Bolsonaro soltou um texto misterioso falando das dificuldades de governar o país sem fazer conchavos, como presidente, ele não pode colocar um poder contra o outro, mas ficou evidente o que o texto quis dizer.

- A esquerda continua na mesma, achando oportunidade em qualquer coisa pra tentar angariar pessoas na tentativa de engrossar o coro minguado do Lula Livre. Há relatos de estudantes nada satisfeitos com a "carona" da turma do Lula no movimento pró educação, mas dizem não poder impedir porque foi Lula quem abriu os IFs, ou seja, a nova versão do "rouba mas faz" do Maluf.

- O "centrão" continua mandando em tudo, muitos estavam no mesmo mar de lama do PT mas aproveitaram enquanto a polícia prendia os líderes do bando e foram para casa, trocaram de terno, pentearam o cabelo e voltaram à cena bancando o "LIMPINHO". Agora eles são centrão. A terceira via. Os comedidos.

- O DEM tá botando PSL (Onde anda o PSL?) e os partidos da esquerda no bolso, mandam no Senado e no Congresso, Rodrigo Maia sabe que não tem carisma e apoio popular para virar presidente (fez 74 mil votos para deputado federal enquanto o deputado mais votado teve 1 milhão e 800 mil votos, Eduardo Bolsonaro).

- O que o Rodrigo quer? Bem, não apenas Rodrigo, mas vários parlamentares estão se justificando com uma teoria que vou resumir agora e me aprofundar numa outra oportunidade, ok?

Eles dizem que quando Bolsonaro declarou que não iria entrar no jogo do toma lá dá cá, ele ofendeu TODOS os parlamentares e isso os fez que tomassem uma decisão, agora são eles que não querem mais negociar com o governo e irão provar que sem o apoio do Congresso o presidente não governa.

- Pano de fundo essa balela de "orgulho ferido" senhores, todo mundo já percebeu que o que Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre querem é implantar o PARLAMENTARISMO, para eles em 2022 o Brasil não terá mais um presidente, e sim, um primeiro ministro. Veja aqui:

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2019/05/16/interna_politica,755427/mudanca-para-o-parlamentarismo-ganha-forca-entre-congressistas.shtml

Segundo o projeto deles, o sistema presidencialista não funciona mais, porque a esquerda não vai deixar a direita governar e vice versa, então, vão insistir em transformar o sistema.

E a esquerda sabe disso?

- Sabe!!! Embora ainda sonhe em eleger um presidente estão correndo atrás de afastar logo Bolsonaro antes que ele indique ministros do Supremo e que o Congresso comece a debater o assunto, mas eles sabem! Tanto sabem que o Deputado Fontana do PT do RS, apresentou um projeto que em caso de saída do presidente, o vice não poderá assumir, deverá abrir novas eleições, está na CCJ da Câmara e vou deixar o link aqui:

https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2195722

Há muitos da esquerda cegos pela possibilidade de derrubar o presidente e eleger um deles... Ledo engano! Eles estão a serviço do DEM e nem sabem, inclusive os caminhoneiros que já organizam outra paralisação. O cavalo de tróia vem recheado!

Avisados foram...

Resumo da ópera: Se aprovam o projeto onde impede o vice de assumir, eles podem engessar ainda mais Bolsonaro e forçar a queda do presidente, aí teremos esquerda desesperada tentando chamar novas eleições e o centrão forçando o Parlamentarismo.

Resta saber se as forças armadas irão permitir serem enxotados do governo como se fossem a incompetente Dilma. Du-vi-de-o-dó!

Ou você é 100% a favor do presidente agora, ou, voltaremos a ter o fantasma das urnas eletrônicas elegendo os caciques dos grandes partidos para serem nossos comandantes e não pensem que darão chances para novos nomes não, o assunto será decidido entre Eunicios, Jucás, Renans, Aécios, Sarneys & Cia LTDA.

Como agir? Rua! Pressão nos deputados que você elegeu, mande e-mail, telefone, vá na página e exija um posicionamento de quem está lá por tua causa!

E caso eles consigam, lembrem-se do nome desse cidadão que ajudou a entregar o país para os "caciques".

Raquel Brugnera

Pós Graduando em Comunicação Eleitoral, Estratégia e Marketing Político - Universidade Estácio de Sá - RJ.

Comentários