Desesperada e incrédula, velha mídia tenta diminuir manifestações pró-governo e questiona financiamento

Acostumada - mas sempre sem questionar seu financiamento - com as manifestações esquerdistas de gatos pingados com ônibus fretado, sanduíche de mortadela, camisetas “Lula Livre” gratuitas, balões de hélio da CUT e bandeiras do MST a rodo, a velha mídia tenta diminuir as manifestações pró-governo deste domingo e questionar “quem estaria por trás”.

É inconcebível para a turma que o povo possa se mobilizar espontaneamente e gastar o próprio dinheiro para defender os interesses da nação. Estão mal acostumados com os protestos pagos com os frutos das maracutaias dos governos passados e tem dificuldades em entender que existe outra forma de fazer as coisas.

Guilherme Amado, da Época, questiona “quem paga” os carros de som nos protestos em Copacabana e afirma que grandes bandeiras foram erguidas para “dar a sensação de volume e aumentar a impressão da quantidade de gente” em Belém.

Vejamos por outros ângulos as manifestações registros das manifestações na manhã deste domingo. Tiremos nossas conclusões sobre a “sensação de volume” e a “quantidade de gente” e tenhamos em mente que o auge do protestos ainda deve ocorrer no período da tarde.

da Redação

Comentários