A inimputabilidade de Adelio, o plano que não deu certo e o mandante que sai ileso

Um Juiz Federal de Juiz de Fora decidiu sobre o caso do Adelio Bispo. O acusado, que agiu de forma consciente, premeditando por mais de 15 dias aquele que seria o crime político mais assustador de todos os tempos, de fazer Jair Bolsonaro sangrar até a morte no meio da multidão, e que mudaria os destinos do Brasil, foi considerado “inimputável” porque tem “transtornos mentais”.

Não posso me pronunciar sobre a decisão, pois não li os autos e principalmente não tive acessos ao laudo psiquiátrico.

Se a Justiça diz que esse monstro tem problemas mentais, paciência! Quem somos nós para contestar a justiça dos homens.

Mas como cidadão vai aqui meu desabafo: o único transtorno mental desse crápula é de ter se filiado ao PSOL.

E, principalmente, lembremo-nos sempre de sermos gratos à justiça divina, que intercedeu por Bolsonaro, para não deixar o plano do (agora) “doidinho” dar certo.

Ainda sobre o “caso Adelio”, pensemos juntos aqui:

1) O plano, arquitetado por mais de 15 dias, era fazer Bolsonaro sangrar até a morte no meio da multidão; as pessoas ficariam tão traumatizadas que entrariam em choque, deixando de participar do processo político;

2) O plano deu errado; Bolsonaro não morreu, e o esfaqueador foi preso;

3) Rapidamente, um grupo de advogados começa a interceder pelo esfaqueador, representando-o no processo criminal já aberto, para que tenha uma defesa técnica de qualidade, alegando que o acusado sofre de “transtornos mentais”;

4) Alguns meses depois, após a realização de exames psiquiátricos no curso do processo, o laudo pericial comprova a doença mental, e o juiz da causa declara o esfaqueador inimputável;

5) Como desfecho, ele, esfaqueador, será internado compulsoriamente em um manicômio judiciário, de onde jamais sairá, e viverá dopado de drogas até o resto da vida;

6) O reconhecimento da incapacidade por transtorno mental faz com que o acusado não preste sequer para ser testemunha de algo, ou para uma confissão ou delação premiada;

7) O mandante fica impune, e seu anonimato, garantido.

FOI ISSO OU NÃO FOI?

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários