A Netflix investe contra a sua própria reputação ao usar o seu poderio na defesa de pautas progressistas

É realmente assustador que uma empresa que é uma verdadeira corporação poderosíssima, como a Netflix, resolva boicotar um Estado do seu país apenas porque esse Estado aprovou uma lei restringindo o aborto.

Que muitas pessoas estão se desumanizando, nessa triste “agenda” pró-aborto, não é novidade. Somos nós, os Conservadores, a verdadeira resistência a algo tão sombrio, que chega a galope e nos indigna a todos, que é a permissão para que pessoas matem bebês, com o beneplácito das suas mães (que é quem deveria protegê-los).

Mas ver uma empresa agir com uma subjetividade (leia-se desumanidade) de organizar boicotes a um Estado do país onde está localizada, por causa de escolha política legislativa desse Estado, para retaliá-lo financeiramente e provocar desemprego entre sua população, apenas porque essa escolha política a desagradou, é surreal demais!

Sejamos realistas. Assim como “armas não matam”, “empresas não boicotam”: quem boicota é o controlador da empresa.

Ele é que é o idiota que usa o poderio econômico da empresa que dirige para fazer política e avançar as pautas progressistas que defende.

E que infelizmente arruína a credibilidade da Netflix e assassina a reputação da companhia.

Comentários