A "extrema-imprensa" não tem o menor pudor para usar qualquer artifício contra seus "inimigos"

As vezes, as notícias políticas se confundem com um programa de fofocas.

Desde ontem, incessantemente, os portais de esquerda vêm divulgando os detalhes que antecederam o suposto suicídio do "MC Reaça". Casado, estaria tendo um caso extra-conjugal e, ao descobrir uma gravidez da amante, teria espancado a garota. Na sequência, teria enviado uma mensagem à esposa, pedindo para que ela ajudasse a cuidar do bebê (se sobrevivesse) e condenou-se à pena máxima.

Com isso, tentam atrelar o escândalo (lógico) à imagem do presidente e dizer que este é o "perfil" dos Bolsonaristas. Tentam, a todo custo, transformar a história em um "escândalo político".

Na outra ponta, temos Rosana Auri Cândido e Kacyla Priscila Damasceno. Um casal LGBT, residente no DF.

Há 5 anos, após perder a guarda de seu filho, Rosana sequestrou o garoto e fugiu do Acre.

Esse final de semana, "cansada" do vínculo com o pai da criança, com ajuda de sua companheira (que também tem uma filha), esfaqueou, incinerou e esquartejou o garotinho, de 9 anos.

Ao encontrarem o corpo, espalhado entre malas e bueiros, durante os exames, também constataram que o mesmo, há um ano, já teria sido CASTRADO pela mãe, tendo seu pênis totalmente arrancado.

O "casal" era ativo militante petista, mas NENHUMA menção à posição política foi feita pela "grande mídia". Aliás, nem está tendo a repercussão esperada, para um caso tão macabro.

É a prova de que, no Brasil, não importa o que você faz, mas de que lado você está.

A "extrema-imprensa" não tem o menor pudor para usar QUALQUER ARTIFÍCIO contra aqueles que considera "inimigos".

Felipe Fiamenghi

O Brasil não é para amadores.

Comentários