O inferno astral da Rede Globo está só começando

Além de perder milhões de verba governamental, a Rede Globo teve que ver as emissoras concorrentes ganhando mercado e viu seus números despencando.

A esquerda boicota a Globo porque Lula a culpa por ter montado uma força tarefa para destruir o nome dele - na visão de Lula o erro não é praticar o crime, é ser descoberto.

A direita boicota a Globo por ter feito a mesma força tarefa para destruir Bolsonaro, desta vez com um detalhe importante "que raios fez Bolsonaro para ser tão atacado mesmo antes de ser eleito"?

A resposta é: Bolsonaro tem relações com as demais emissoras, principalmente com a gigante RECORD que é do Bispo Edir Macedo, tenho cá meus pormenores com o bispo, mas isso não me impede de perceber que eles investiram em tecnologia e conseguiram aquilo que muitos da minha geração achavam impossível, abrir concorrência com a Globo. O SBT é um capítulo à parte, tem como líder um gênio da comunicação e um dos homens mais rico das Américas.

A BAND ganhou espaço focando em jornalismo e esportes e a REDE TV tem na liderança empresários de muita visão e capital para investir. Por que estou falando deles? Para lembrar que eles sempre estiveram aí, dispostos a crescer, contratar, trazer conteúdos de qualidade gratuitamente para o povo brasileiro, mas eram impedidos porque a concorrência era desleal.

A divisão do dinheiro que se destinava à publicidade do governo não era dividida em 5 partes iguais (Globo, Record, SBT, Band e Rede TV), era 80% só para a REDE GLOBO! Injusto.

De forma velada o governo pagava para falarem bem dele, ou, ao menos não ser criticado; mas os escândalos do PT foram tão escancarados pelas outras emissoras que não teve como a Globo se manter neutra, por isso Lula tem tanta mágoa da Globo - inclusive na entrevista dentro da cadeia ele criticou a empresa diante da funcionária Mônica Bergamo - de certa forma eles "quebraram a confiança", isso explica por que Lula não acusa as outros canais de tê-lo perseguido, afinal, as matérias falando da Lava Jato aconteceram em todos os telejornais, mas ver a Globo falando mal dele era uma espécie de traição pessoal.

Nesse ritmo de envolvimento ideológico (com raras exceções porque há funcionários da Globo que já se declararam de direita e apoiadores do governo), a emissora perdeu clientes/anunciantes porque a audiência despencou, com a audiência baixa o secretário da SECOM (Secretaria da Comunicação do governo) Fábio Wajngarten, disse:

"Não podemos investir 80% do orçamento em uma emissora que tem 35% da audiência”

O grupo Globo é composto de TVs, rádios, jornais impressos e virtuais. Todos tiveram cortes de verbas e todos demitiram funcionários. Negros, brancos, gays, heteros, jovens velhos, desconhecidos e celebridades, todos entraram para a régua de corte baseado na "produtividade", ou seja, eles criticam a "meritocracia" defendida pela direita, mas na hora de gerir seus negócios a primeira regra é o mérito. Tem bons números? Fica. Não rendeu dinheiro de patrocinadores? Desculpe, passe no recursos humanos assina sua rescisão e pegar seu cheque.

E para piorar a CNN esperou mudar o governo para abrir suas portas no Brasil em definitivo e já chegou contratando! Evaristo Costa e William Waack são os novos contratados do canal.

Evaristo terá um programa semanal, gravado dos estúdios da CNN de Londres; ele pediu demissão da Globo no auge de sua carreira (até hoje ninguém tinha entendido o motivo dele ter pedido um "ano sabático" em meio ao turbilhão, mas agora as coisas começam a fazer sentido), carismático, sempre manteve contato com os seguidores pela rede social usando o bom humor para ser lembrado e foi muito pressionado à aderir ao #EleNao, mas preferiu manter-se neutro mesmo recebendo enxurradas de críticas.

Já William Waack foi demitido depois de ter sido gravado fazendo uma "piadinha ultrapassada e de péssimo gosto" ao se referir a cor de uma pessoa que estaria fazendo barulho num carro que passava enquanto ele esperava entrar ao vivo. Ele assumiu o erro grotesco mas não foi perdoado, acabou criando um canal de notícias pela internet e com a liberdade de emitir opiniões, se posicionou pró governo.

A abertura de mercado, a diminuição e divisão das verbas governamentais e o controle da Lei Rouanet estão entre os principais motivos da histeria da mídia tradicional contra o governo atual. Explica, mas não justifica, mesmo assim, entendemos Rede Globo!

Raquel Brugnera

Pós Graduando em Comunicação Eleitoral, Estratégia e Marketing Político - Universidade Estácio de Sá - RJ.

Comentários