Brasileiro tem "fetiche" pelo governo: a masoquista relação de submissão com o Estado

Brasileiro tem "fetiche" pelo governo. Vivemos uma relação de submissão masoquista com o Estado. São os "50 Tons de Brasília", com direito a chicotes, algemas e mordaças.

Em 2005, sofri um acidente. Peguei óleo em uma curva, o carro rodou e bateu de lado em um poste, que entrou pela lataria e quebrou o banco traseiro. Por sorte, estava sozinho. A cadeirinha da minha filha (uma das melhores e mais caras do mercado), que estava segura pelo ótimo sistema "Isofix" da Mercedes e não apenas pelo cinto, como fica em 90% dos carros, virou de ponta cabeça. Se ela estivesse junto, com certeza, seria uma tragédia.

Desde então, ela só usou assento de elevação. Já tinha idade o suficiente para não precisar de "sustentação" para a cabeça e preferi correr o risco da multa do que deixar minha filha "presa" a um objeto pesado, que fica ainda mais pesado durante um possível impacto.

Ah, mas a lei não permitia, na idade dela.

DANE-SE!

EU sou o pai. EU decido o que é melhor para a MINHA filha. Ela NÃO É propriedade do Estado. Ela é MINHA responsabilidade.

Preferi correr o risco de tomar uma multa e perder pontos na carteira, do que "amarrar" o que eu tenho de mais precioso, na vida, em uma geringonça que eu vi retorcer com um impacto.

Quer acreditar nos testes e nas "leis"? Tudo bem. Eu acredito no que vi, com meus próprios olhos.

Que usar a cadeirinha? USE-A! Não será proibida. Mas não queira me dizer como EU devo agir.

Se você confia que o Congresso Nacional criou uma legislação, que OBRIGA os pais a comprarem algo (caro), pela "segurança" dos seus rebentos, sem que nenhum grupo lucrasse (muito) com isso, MEUS PARABÉNS.

Você é um idiota!

"Os cidadãos não poderiam dormir tranquilos, se soubessem como são feitas as salsichas e as leis." (BISMARK, Otto Von)

Felipe Fiamenghi

O Brasil não é para amadores.

Comentários