Estaria na hora de deportar Glenn Greenwald?

Jornalista caminha na linha tênue entre o jornalismo e a ilegalidade

Em 2004, o jornalista do The New York Times, Larry Rother, teve o visto cassado e foi expulso do Brasil pelo então presidente Lula. O caso repercutiu no mundo todo, com diversas entidades se pronunciando em favor do jornalista e classificando a atitude do governo brasileiro como um ato de censura. O motivo era banal: Rother publicara uma matéria em que mencionava o vício do presidente Lula em bebidas alcoólicas.

Nessa semana, porém, outro jornalista americano ganha as manchetes e faz com que alguns se perguntem se não seria a hora do governo Bolsonaro endurecer um pouco, já que nunca passou perto de tomar uma atitude remotamente autoritária como a tomada por Lula em 2004.

Casado com um brasileiro, Glenn Greenwald vem ganhando visibilidade com polêmicas intermitentes. Dessa vez, porém, o caso é grave. Na verdade, não é a primeira vez que Greenwald caminha sobre a linha tênue entre o jornalismo e a ilegalidade.

Em 2013, Greenwald esteve envolvido em um caso em que seu parceiro, David Miranda, hoje suplente do deputado federal Jean Wyllys, foi acusado pelo governo britânico de espionagem e terrorismo. Miranda foi detido no aeroporto de Londres carregando um pendrive com 58 mil documentos secretos da NSA e do GCHQ britânico. Ele seria o mensageiro entre Greenwald e o ex-administrador de sistemas da CIA e da NSA, Edward Snowden, responsável por vazar diversos documentos das agências de inteligência dos Estados Unidos. Snowden hoje é asilado na Rússia.

Greenwald já foi citado por Ion Mihai Pacepa, como um “palestrante regular em conferências comunistas internacionais”. Pacepa é o desertor de maior patente do bloco leste durante a Guerra Fria e o ex-chefe do serviço de inteligência estrangeira da Romênia e ex-conselheiro do ditador romeno Nicolae Ceauşescu. Em entrevista à Cliff Kincaid em 2013, Pacepa disse que Greenwald poderia ser acusado de espionagem pela facilitação das revelações e das viagens de Snowden.

As ligações “peculiares” de Greenwald ficam mais claras agora. É no mínimo uma coincidência infortuna que justo ele esteja por trás de mais um vazamento cibernético envolvendo altos escalões oficiais - e justamente seus claros adversários políticos -, uma vez que Greenwald era um dos jornalistas que fazia o “trabalho sujo” de exportar as narrativas fajutas sobre a “prisão política” de Lula durante as eleições.

Créditos: Divulgação
Créditos: Divulgação
Glenn Greenwald em bate-papo com Luiz Inácio Lula da Silva

Imparcialidade é apenas uma fantasia no dicionário de Greenwald, que não passa de mais um militante de esquerda bem conectado, com a capacidade de criar narrativas desmioladas que, para os menos atentos, passam como verdade. O objetivo real é justamente este: criar uma narrativa que crie dúvidas onde não há e cumpra o papel de fazer seus opositores serem vistos pelas massas como “apenas mais dos mesmos políticos corruptos”. Greenwald é um agente estrangeiro com claros objetivos políticos que usa o jornalismo como fachada de impessoalidade e tenta, com documentos falseáveis, mudar os rumos do Brasil.

Há muitos motivos mais para se considerar e se justificar uma deportação de Greenwald do que haviam para a deportação de Larry Rother e, até o momento, o governo Bolsonaro não tomou qualquer medida contra o jornalista - nem dá sinais de que irá tomar. Mas ainda será sempre a “ditadura bolsonarista”, enquanto Lula, por muito menos, expulsava jornalistas sob os aplausos da esquerda e é tido como o “rei da democracia” pelos pelegos vermelhos.

da Redação

Comentários