A conspiração cor-de-rosa

Definindo a si mesmo como 'bicha honrada' no Twitter, Jean Willys pulou nos tamancos ao ser acusado de vender o mandato e participar da trama que visava destruir Moro, com seus parceiros(as).

Trama que foi por água abaixo antes mesmo de começar.

Ela(e) atacou Carlos Bolsonaro, num surto homofóbico (imaginem só) e literalmente burro.

Em seus surtos, mal consegue esconder o próprio preconceito.

Jean nunca foi muito esperto(a) mesmo. Foi capaz de se declarar fã de um dos maiores assassinos de homossexuais da história, por exemplo: che guevara.

Pega(o) com a boca na botija conspirando desabou no twitter com auto declarações como: 'sou uma bicha inteligente, ativista e honrada'.

Prudentemente, deixou o lado B fora dos elogios.

O lado B que todos conhecem: o do gajo burro(a), ex BBB, pobre de espírito, maldosa(o) e falseta como uma nota de 30.

E a maior de suas façanhas:

A de ser uma patética figura: o(a) 'cospe e corre.'

Quem não se lembra da cena absurda onde o moçoilo(a) cospe covardemente em Bolsonaro e foge esvoaçante pelo Senado?

Como sempre, os esquerdinhas atolados na merda que geraram tentam tirar o deles da reta.

Esta foi a vez dela(e), indo contra seu costume.

A conspiração cor de rosa falhou.

Deu tudo errado de novo.

Não foi um tiro no pé, desta vez.

Foi um tiro no rabo preso.

*Quando ele próprio se autodefine com a palavra 'bicha' e incluí o 'filho do presidente' nessa, está automaticamente praticando crime de homofobia. Ou não?

Marco Angeli Full

Artista plástico, publicitário e diretor de criação.

Comentários