Trabalho honrado da FAB não merece ser reduzido a casos isolados de militares traficantes e imorais

Foram mais de 300 voos por dia procurando vivos em Brumadinho, outras centenas tentando resgatar os corpos que foram petrificados na argila.

Foram toneladas de comida, roupas e remédios, levados até as vítimas do ditador venezuelano.

Foram toneladas de mantimentos levados a países miseráveis ou em guerra.

Foram milhares de médicos, enfermeiros e outros profissionais voluntários, levados ao seco sertão nordestino e ao alagado interior sulista.

São mais de 4.500 refeições diárias na OPERAÇÃO ACOLHIDA em Roraima.

Mas a Aeronáutica foi reduzida a traficantes internacionais de cocaína, porque um bandido que passou no concurso da FAB, achou que poderia fazer com este presidente, o que fez com alguns dos anteriores.

Com certeza a opinião de um esquerdista que promove o socialismo com a barriga cheia, não é a mesma de uma vítima de uma catástrofe que matou centenas e destruiu a vida de milhares.

Quer mesmo saber quem são os profissionais da Força Aérea Brasileira? Pergunte a quem já recebeu ajuda humanitária da FAB.

Respeito à instituição! Para derrubar um governo, vale atacar milhares de homens e mulheres que fazem a diferença.

Raquel Brugnera

Pós Graduando em Comunicação Eleitoral, Estratégia e Marketing Político - Universidade Estácio de Sá - RJ.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários