A deputada do PSOL que quer escolta armada e a sua absoluta coerência

Não achei nada de incoerente na deputada do PSOL que pediu escolta armada. Ela acredita que nenhum brasileiro deve ter o direito de se defender com uma arma, exceto ela, porque ela é deputada, então é especial. Super coerente, socialismo é exatamente isso. Defende que todos sejam iguais, mas que alguns sejam mais iguais que os outros.

Olhe os exemplos socialistas do mundo. Em Cuba, são todos pobres, exceto a família Castro e seus amigos. Na Venezuela, a mesma coisa, com exceção das famílias Chavez, Maduro e adjacências. Na Coreia do Norte, mais um exemplo típico de socialismo, a população vassala deve obediência ao líder supremo Kim jong-un.

É exatamente assim que o socialismo funciona e o que a deputada quer é exercer o seu direito legítimo de ser o mais especial dos seres humanos.

O Brasil tem 60 mil homicídios por ano, o que mais tem é famílias inteiras ameaçadas nas favelas; moradores de zonas rurais vivendo sob risco constante; gente com medo da troca de tiros dos traficantes, dos assaltos nos ônibus, dos estupros nas ruas escuras.

Mas ninguém tem direito a escolta armada por isso. Só a deputada, porque - em suas palavras - quando ameaçam uma deputada, ameaçam a democracia. Perceberam como ela é importante?

Pois é, você que vive com medo de bandido, simplesmente recolha-se a sua insignificância, pois sua vida vale menos que a de uma deputada do PSOL. Ela sabe o que é melhor pra você e, do alto de sua sabedoria, vai lutar bravamente para que você nunca tenha acesso aos mesmos meios de defesa que ela.

(Texto de Priscila Chammas. Jornalista)

Comentários