Bandidos de direita x bandidos de esquerda: como o marxismo cultural influencia o debate político

O recente caso do sargento da aeronáutica preso com cocaína levantou uma reflexão sobre como brandidos de direita são tratados pela sociedade, pela mídia e pelos isentões.

Quando um bandido de direita é preso, as pessoas de direita esperam que ele receba a punição exemplar de acordo com a lei. Quando um bandido de esquerda é preso, as pessoas de esquerda o vêem como vítima da sociedade ou herói do povo mortadeleiro.

Isso acontece porque para esquerdistas, fanáticos de uma religião política que interpreta o mundo pelo viés da luta de classes, as leis são feitas pela classe dominante para manter a classe dominada sob controle. Logo, um transgressor será classificado como vítima ou herói de acordo com a intenção: se foi para benefício próprio, é vitima; se foi “pela causa”, é herói.

No entanto, se o transgressor for de direita, será ferozmente atacado pelos esquerdistas, cobrado não com o rigor da lei, mas com o radicalismo revolucionário que tem uma visão deturpada de justiça.

Nesses termos, Lula e toda a turma do PT, por exemplo, sempre serão inocentes, não importa o que façam. Enquanto Bolsonaro e qualquer pessoa ligada a ele serão culpados de tudo que forem acusados, mesmo antes de haver uma investigação.

Qualquer um classificado como membro da classe opressora é previamente culpado por crimes que ainda não cometeu, como se houvesse uma espécie de pecado original decorrente da classe a que supostamente pertence segundo os critérios da esquerda.

O interessante é notar que muitas pessoas que se acham isentas ou moderadas têm apresentado a mesma postura dos radicais, com pequenas diferenças de grau e maquilagem.

Confira no vídeo:

Herbert Passos Neto

Jornalista. Analista e ativista político.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários