Grande mídia abandona a honestidade para tentar vender polêmicas

O esquerdismo é uma doença que estraga tudo em que coloca a mão. Duvida? Compare uma Universidade antes e depois de ser controlada pela esquerda, compare um país antes e depois de ser governado pela esquerda, compare uma pessoa antes e depois de militar por movimentos de esquerda, como o feminismo moderno por exemplo.

E claro, compare a mídia antes e depois de ter sua linha editorial voltada para o Progressismo.

VEJA não é nem de longe a revista respeitada pelo jornalismo investigativo de qualidade que já teve um dia. Apesar de não ser perfeita, era compromissada com a busca da verdade. Mas desde 2016, com a entrada de André Petry, a revista vem buscando cada vez mais se alinhar à esquerda. Agora com a entrada de Mauricio Lima, responsável pela coluna anti-bolsonarista, Radar, as coisas devem esquerdar de vez.

A revista antes investigativa, agora primeiro define o culpado e só depois vai atrás de provas para condená-lo. Se não acha provas, tenta provar a culpa pela repetição da acusação falsa. Tática clássica da esquerda.

Em 2015, Veja escreveu sobre Moro:"VEJA pesquisou 300 sentenças que Sergio Moro lavrou nos últimos quinze anos e descobriu as raízes da determinação e eficiência do juiz que deu ao Brasil a primeira esperança real de vencer a corrupção”.

Agora em 2019, VEJA acusa Moro baseada em acusações fajutas com teor comprovadamente manipulado, feitas por um pseudo-jornalista completamente servil aos condenados pelos desvios de bilhões de reais dos cofres públicos.

Quer dizer que em 300 sentenças de Moro no período de 15 anos, Veja não encontrou indícios de parcialidade do Juiz. Mas encontra agora em mensagens manipuladas e/ou de autenticidade incomprovável?

Como eu disse lá em cima, o esquerdismo estraga tudo em que coloca a mão.

Frederico Rodrigues

Analista Político e Membro da Direita Goiás.

Comentários