Tom Jobim tinha razão: “Fazer sucesso no Brasil é ofensa pessoal”

E a inveja, nem sempre consciente, está encrustada na genética de muita gente. Na esquerda, então - nem se fala.

Agora, gente que ignora (do verbo ignorar) os fundamentos das diferenças entre cargo e função, critica a eventual nomeação de Eduardo Bolsonaro para o cargo de Embaixador nos EUA, tentando desqualificá-lo por ter dito que, quando intercambista, “fritou muitos hambúrgueres”.

Gente preconceituosa, elitista e invejosa!

Outros, também ignorantes (agora do adjetivo) para destilar seu fel, dizem que a nomeação seria nepotismo e daí, anti ética e imoral.

O conceito de “nepotismo” não é aquele que eu “acho” que é. Mas o que a norma legal define como “sendo”. Sobre o tema, a Súmula Vinculante 13 (que número!?) do STF define o assunto de forma clara e põe fim a quaisquer dúvidas.

Além do mais, a eventual indicação só se consolida com o referendo do Senado.

Eduardo Bolsonaro é Presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, eleito por seus pares. Ninguém chega lá sem fortes credenciais de preparo e credibilidade.

É poliglota, bem formado intelectualmente, com vivência no exterior.

E daí que é jovem? Isso é virtude, nunca um defeito! Tão moço com tantos predicados! Obama foi Presidente dos EUA com 42 anos!

E, finalmente o fato de não ser diplomata de carreira não voga nessa situação. Para quem ignora (do verbo e do adjetivo), diplomata exerce cargo e funções públicas. A diplomacia é uma carreira. O cargo de embaixador não é exclusivo - e nem deve ser - para diplomatas. É um cargo de confiança e de representação ideológica do governo, cujo direito de indicação é da competência e obrigação do Chefe de Estado.

A nomeação e a posse só ocorrerão se o Senado e o governo estrangeiro validarem.

FHC, Olavo Setubal foram Ministros das Relações Exteriores e não eram Diplomatas. Jorge Bornhausen foi Embaixador em Portugal e também não é diplomata.

São só alguns exemplos didáticos que se repetem aos quatro cantos do mundo ao longo da história.

Tomara que o Presidente nomeie Eduardo Bolsonaro para Washington. Ele vai mandar muito bem lá...

E aqui, mande a turma do contra, recalcada e roendo as unhas de ciúmes, fritar bolinhos!

Vou encerrar, respeitosamente, com um dito popular:

“A inveja é uma merda!”.

Luiz Carlos Nemetz

Advogado.Vice-presidente e Chefe da Unidade de Representação em Santa Catarina na empresa Câmara Brasil-Rússia de Comércio, Indústria e Turismo e Sócio na empresa Nemetz & Kuhnen Advocacia.
@LCNemetz

Comentários