Folha e Glenn fazem novo ataque nesta quinta (18) e conseguem ultrapassar os limites do ridículo

O novo ataque da Folha de S.Paulo, em verdadeiro conluio com o pseudo jornalista Glenn Greenwald, é infame, sem nexo e sem o menor sentido.

O jornal mais uma vez aposta tão somente no sensacionalismo de sua estúpida manchete:

“Mensagens apontam que Moro interferiu em negociação de delações”

Não apresentaram na medíocre matéria nenhuma mensagem de Moro. Nada que apontasse nesse sentido. Pelo contrário, juntaram mensagens aleatórias de procuradores dizendo que se o delator não cumprisse pelo menos um ano de prisão em regime fechado, Moro não homologaria o acordo de delação.

Ou seja, o que cai por terra é a cantilena de que o ex-magistrado afrouxava a vida de quem complicasse a situação do homenzinho preso em Curitiba.

Diz o jornaleco:

“As mensagens, obtidas pelo The Intercept Brasil e examinadas pela Folha e pelo site, revelam que Moro avisou aos procuradores que só homologaria as delações se a pena proposta aos executivos incluísse pelo menos um ano de prisão em regime fechado.”

Entretanto nenhuma mensagem de Moro foi encontrada. Ou, se foi, os dois veículos parceiros acharam interessante não publicar.

Assim, mesmo usando apenas parte do material, que inclusive não possui nenhuma autenticação e pode ter sido adulterado, não conseguiram demonstrar nada que contamine a conduta do então juiz da Lava Jato.

É de se lamentar esse tipo de ‘jornalismo’ ativista com fins espúrios.

Moro tem razão:

da Redação

Comentários