Absurdo: Justiça decide que atirar contra policiais não necessariamente é tentativa de homicídio

Uma decisão inacreditável do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) chama a atenção da população.

O TJ-RS confirmou uma decisão de primeira instância excluindo dois acusados de tentativa de homicídio de julgamento pelo tribunal do júri.

Seguindo a jurisprudência da câmara, os desembargadores entenderam que, durante uma perseguição, suspeitos que atiram contra policiais não necessariamente desejam matá-los ou assumem esse risco.

“Não há elementos a evidenciar que o réu teria feito mira, direcionando os disparos contra os policiais militares, mas sim efetuaram os disparos como forma de evitar ou dificultar a aproximação”, escreveu o relator, seguido pelos dois colegas.
“Não se pode presumir que quando alguém efetua um disparo de arma de fogo em fuga de policiais, está atirando para matar os agentes”, escreveu o juiz de primeira instância. Pela decisão, os suspeitos podem ser acusados apenas de crime de resistência ou de disparo de arma de fogo."

A decisão é um absurdo, e abre precedentes para que outros criminosos em fuga abram fogo contra os policias sem medo de uma punição maior.

Isso nos faz lembrar um vídeo de 2017 onde uma palestrante dos "Direitos Humanos" afirmou que policiais só poderiam atirar depois que fossem alvejados.

Fonte: Gazeta do Povo

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários