Presidente da OAB ataca Bretas e a Lava Jato e recebe forte nota de repúdio dos Advogados do Brasil

O Movimento Advogados do Brasil divulgou novo manifesto, desta vez para repudiar as declarações do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, que “continua usando a instituição para manifestar seu posicionamento político pessoal, atacando a maior operação de combate à corrupção, a Operação Lava Jato”.

Santa Cruz, disse que Marcelo Bretas é “uma vedete, não um juiz” e que “a Lava Jato do Rio tem inovado porque ela é quase um partido político”.

Leia a nota na íntegra:

MANIFESTO DOS ADVOGADOS DO BRASIL
NOTA DE REPÚDIO ÀS DECLARAÇÕES DO PRESIDENTE DA OAB, DR. FELIPE SANTA CRUZ, CONTRA O JUIZ MARCELO BRETAS
O Movimento Advogados do Brasil, mais uma vez, vem a público para repudiar as declarações do Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, que, mesmo ocupando o cargo sem ter sido eleito de modo direto pela maioria dos advogados brasileiros, continua usando a instituição para manifestar seu posicionamento político pessoal, atacando a maior operação de combate à corrupção, a Operação Lava Jato.
Desta vez, sua declaração ataca o Juiz Marcelo Bretas, magistrado que tem desempenhado um trabalho exemplar e histórico à frente da Lava Jato do Rio de Janeiro. A infeliz declaração diz que Bretas é “uma vedete, não um juiz” e que “a Lava Jato do Rio tem inovado porque ela é quase um partido político”.
Lembramos que essa não é a primeira declaração machista e política dada pelo atual Presidente da OAB.
Recentemente ele atacou publicamente filhos cujos pais são desconhecidos chamando-os de “filhas da puta” e igualou a profissão de advogada a de uma prostituta, na tentativa de atacar uma advogada nas redes sociais.
Destacamos que a Lava Jato do Rio, em menos de 5 anos, realizou 46 denúncias, com 296 denunciados, 229 prisões cautelares, 466 buscas e apreensões, R$ 4,95 bilhões de reparação de danos solicitados, com 40 condenados e 665 anos e 6 meses de penas privativas de liberdade somadas, tirando de circulação líderes de organização criminosa de todos os poderes do Estado do Rio de Janeiro, desde ex-governadores, ao presidente da Assembleia Legislativa, membros do Tribunal de Contas do Estado e o próprio ex-procurador-geral de Justiça, chefe do MP do Rio de Janeiro.
Tudo isso sem nenhuma predileção, seletividade ou favorecimento, mas, muito pelo contrário, aplicando-se os rigores da lei de modo igual para todos, respeitado o devido processo legal e a ampla defesa, defendidos de modo sagrado pelos advogados do Brasil. Diante do exposto, esperam os Advogados do Brasil que o Presidente do Conselho Federal da OAB respeite os ditames da Constituição e realize imediatamente Eleições diretas com a participação legítima de todos os inscritos na entidade cumprindo igualmente as normas da OAB e o decoro exigido para o cargo de representação máxima da Instituição.
da Redação

Comentários