Hackers investigados movimentaram R$ 627 mil e PF rastreará seus "patrocinadores"

Em relatório da Polícia Federal que investiga os supostos criminosos que estariam envolvidos em crimes cibernéticos ao hackearem os celulares do ministro Sérgio Moro e do procurador Deltan Dallagnol, há movimentações de R$ 627 mil em contas de dois de quatro suspeitos presos nesta terça (23).

Juntos, os dois suspeitos movimentaram tal quantia entre março e junho deste ano.

De acordo com a PF, o cadastro bancário de um dos investigados mostra que a renda mensal dele era de R$ 2,8 mil. Do outro, segundo a PF, era de R$ 2,1 mil.

Segundo o juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal, em Brasília, que autorizou a prisão de quatro pessoas, além de buscas e apreensões, será realizado um rastreamento dos possíveis patrocinadores dos hackers.

"Diante da incompatibilidade entre as movimentações financeiras e a renda mensal [...], faz-se necessário realizar o rastreamento dos recursos recebidos ou movimentados pelos investigados e de averiguar eventuais patrocinadores das invasões ilegais dos dispositivos informáticos (smartphones)", diz o juiz Vallisney de Oliveira.

O círculo está fechando.

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários