Cúmplices de hacker se vitimizam em audiência de custódia e afirmam terem sofrido violência da PF

Usando uma típica estratégia de bandidos contumazes, os cúmplices dos hackeamentos criminosos, Gustavo Henrique Elias Santos e sua mulher Suelen Priscila de Oliveira se vitimizaram durante a audiência de custódia.

Sem ter como provar qualquer agressão física, os dois acusados optaram por relatar que sofreram violência psicológica:

- Fisicamente, me trataram super bem, mas psicologicamente fui bem agredido verbalmente. Me chamaram de bandido, hacker, e outras coisas - disse Santos.
- Me trataram mal. Fizeram piadinha comigo. Eu nunca fiz nada para ninguém - afirmou Suelen.
- Os policiais que entraram em casa já foram agredindo verbalmente. Desde o momento em que estouraram a porta porque eu estava dormindo, eu fui agredido verbalmente. Eu colaborei. Mas como eu tenho porte, talvez foi por isso (que eles fizeram isso). Desde o começo, eu colaborei deixei eles super à vontade. Fui bem agredido verbalmente. (Me chamaram de) "hacker", "bandido", "tá preso", "perdeu". Não sabia o que estava acontecendo - disse Santos.

Os relatos são ridículos e tentam apenas desmerecer o trabalho dos agentes da PF.

Mesmo assim o MPF solicitou a cópia de todos os depoimentos da audiência de custódia para encaminhamento ao superintendente da Polícia Federal para apurar descumprimento da súmula 11 e se houve eventual abuso de autoridade

Após estes depoimentos não demorou muito para a imprensa esquerdista repercutir o caso.

da Redação

Comentários