Ex-diretor do Inpe dá razão aos questionamentos do Governo (veja o vídeo)

O que a mídia não te conta sobre polêmica entre Bolsonaro e o Inpe.

Em entrevista à BBC, o ex-diretor do Inpe Ricardo Galvão, disse que o ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, está certo nos questionamentos que fez sobre o cálculo do desmatamento.

Segue abaixo a reprodução de alguns trechos:

"BBC News Brasil - O ministro Ricardo Salles disse em coletiva que os dados do (sistema) Deter-B estavam sendo mal interpretados porque eram apenas dados de alerta de desmatamento e não de desmatamento efetivo. O sr. pode explicar essa diferença?"

"Galvão - Nisso ele está correto. Está na página do Inpe. Isso foi a razão de toda a má interpretação da parte da imprensa."

No final da longa explicação, ele diz:

"O que aconteceu é que a AGU (Advocacia-Geral da União) entrou no nosso site e somou os dados e disse que, do mês de junho de 2018 para o mês de julho de 2019 houve um acréscimo de 88% da área desmatada. Eles concluíram isso, mas na verdade era uma acréscimo no número de alertas. O Inpe nunca disse isso, e o presidente interpretou que nós tínhamos passado para a imprensa esse dado errado. Essa foi a origem da confusão."

Agora, pensem. Se ele diz que o problema foi a má interpretação da mídia, por que foi à mídia reclamar do presidente e não da própria mídia? Afinal, o grupo Globo foi o maior divulgador da "conclusão errada". A manchete do Jornal Nacional foi: "Inpe registra em junho aumento de 88% de desmatamento na Amazônia". Por que o nobre Galvão não acusou a Globo de estar usando o nome do Inpe de forma indevida?

Na entrevista à BBC, há duas ideias principais. Uma é que ele foi "fritado" pelo Governo. Se for verdade, resta saber se foi porque Bolsonaro quer mascarar os dados do desmatamento (hipótese preferida da mídia) ou se Galvão mascarava alguma sabotagem ao Governo dentro do órgão. Não acho justo tirar conclusões apressadas, mas podemos analisar os fatos, o discurso dele e o discurso da mídia.

O fato é que o sistema do Inpe tem limitações e Ricardo Salles, ministro do meio ambiente, diz que o Governo quer um sistema com mais resolução, capaz de identificar áreas a partir de 3km². Se Bolsonaro estivesse investindo em publicidade tanto quanto a Dilma, certamente as manchetes seriam "Governo quer melhorar monitoramento", ou "Bolsonaro combate desmatamento". Mas, como a fonte secou para a mídia, só se vê insinuações das mais negativas e histéricas.

A outra ideia central, que inclusive dá o título à reportagem da entrevista, é que o ex-diretor do Inpe teme pelo futuro das exportações brasileiras se as medições não forem mais feitas pelos instituto. Acho pertinente que qualquer sistema de medição seja questionado e fiscalizado, só que o discurso de Galvão contradiz seus atos.

Ao mesmo tempo que se diz preocupado com "as exportações", ele dá entrevistas a órgãos internacionais sugerindo que o Brasil não é mais digno de confiança. Ou seja, acentua a instabilidade da qual diz ter receio. Essa contradição segue o mesmo padrão de quando e disse que não iria se demitir, mas foi à TV acentuar o desgaste com o presidente, forçando a exoneração; e de quando ele admite que a confusão foi gerada pela mídia, mas concentra críticas no governo e não nos jornalistas que usaram o nome do Inpe.

Contradições desse tipo são normais na boca da turma de extrema-humanas, não nas atitudes de um engenheiro premiado e com quase 50 anos de carreira, que ainda se coloca como vítima, como mártir da ciência que está sofrendo, supostamente, pelo bem do Brasil.

Herbert Passos Neto

Jornalista. Analista e ativista político.

Comentários