Defesa de Lula tenta em vão constranger a 8ª turma do TRF-4 com esdrúxulo requerimento

A oitava turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) está prestes de colocar em pauta para julgamento o recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a decisão de 1ª instância, da lavra da juíza Gabriela Hardt, que o condenou a pena de 12 anos e 11 meses de prisão pelo cometimento dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do sítio de Atibaia.

Cristiano Zanin e sua trupe, em uma última cartada, tentam constranger os desembargadores a fim de retardar a decisão.

Assim, há poucos dias, a defesa do petista encaminhou ao presidente do TRF-4, desembargador Vitor Laus, um pedido de informações no sentido de obter um levantamento de todos os recursos pendentes de julgamento na 8ª turma.

O objetivo parece claro. Tentar demonstrar que os processos do ex-presidente andam mais rápido e que, por isso, ele estaria sendo vítima de perseguição.

Possivelmente, o requerimento não será sequer respondido, pois o TRF-4 não deve qualquer tipo de satisfação nesse sentido para o abobalhado Zanin.

De qualquer forma, qualquer encenação de perseguição perde o sentido quando se vê que a Suprema Corte, ignorando a 2ª instância, em pouco mais de três horas - tempo recorde no Judiciário brasileiro – anulou uma decisão de rotina da juíza Carolina Lebbos, que simplesmente transferia o criminoso da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba para a Penitenciária de Tremembé em São Paulo.

Note-se ainda, que a decisão da magistrada da vara de execuções penais foi bem fundamentada e visava, entre outras coisas, proteger o erário dos altos custos representados pela custódia do meliante.

#AceleraTRF-4

da Redação

Comentários