O cabuloso relacionamento do PT com a bandidagem

Cabuloso, mano!

Em fevereiro, numa operação sigilosa que contou com o apoio da Força Aérea Brasileira, o governo Bolsonaro transferiu as lideranças da facção criminosa PCC para longe dos centros do país.

22 líderes foram levados para presídios federais do Rio Grande do Norte e Rondônia, entre eles Marcola, chefão do PCC, condenado a mais de 230 anos de prisão por tráfico e vários homicídios.

Passados 5 meses, o resultado da medida aparece: em áudios gravados com autorização judicial pela PF e divulgados inicialmente pela rede Record, criminosos transferidos da principal tesouraria da facção criminosa (a Penitenciária de Piraquara, no Paraná) colocam desconsolados a boca no trombone:

'Com nóis não vai ter diálogo não’ diz Elias, tesoureiro nacional do PCC num dos trechos gravados, se referindo ao ministro Sergio Moro.
'Pra você ver que o PT com nós tinha diálogo’, diz ainda outro criminoso transferido.

Mais uma frase significativa das conversas desconsoladas da galera:

‘O PT tinha um diálogo com nós cabuloso, mano’.

Naturalmente, para a esquerdalha que valida a ação criminosa do espião Greenvaldo e suas gravações ilegais, a constatação do relacionamento íntimo do PT com o crime organizado implícito nesses áudios não vale.

Só vale o que lhes interessa.

Não interessa a eles nem à extrema imprensa alugada os avanços do governo Bolsonaro nos 7 meses de vida.

Como a recém-anunciada medida que elimina a taxa de importação para remédios fundamentais no tratamento de HIV e câncer.

Ou a aprovação no primeiro turno da Reforma da Previdência.

Ou a taxa de desemprego que cai pelo terceiro mês seguido.

Ou as 6500 escolas rurais que passarão a ter internet através do programa Educação Conectada, que já beneficiou 4500 instituições do Nordeste, com investimento de 120 milhões ao ano.

Ou o investimento trazido por Eduardo Bolsonaro de Jakarta, que vai investir 31 bilhões de reais no Brasil até 2022.

Ou...

A lista é longa, e em sua maior parte ignorada pela imprensalha.

A antiga e óbvia constatação de que à radicais extremistas -de qualquer ideologia - só interessa a destruição do inimigo é mais do que verdadeira hoje por aqui.

Interesses sociais, bem-estar do povo e estabilidade da nação sempre são secundários ou inexistentes, e deixados de lado.

O que interessa mesmo é tirar o inimigo de cena e mais nada.

Isso ficou notável na conspiração onde apareceu em cena repentinamente um negociador de informações roubadas -transformado em celebridade pela imprensalha - chamado Greenvaldo.

As 'importantes provas contra Moro’ prometidas pela quadrilha - Greenvaldo, David Miranda et caterva - jamais apareceram, mas isso não diminuiu a sanha predatória e cegueta da esquerda.

Hoje, diferente da palhaçada vermelha, os áudios legais da PF mostram inequivocamente o envolvimento da esquerda com o crime.

O que toda a sociedade brasileira já sabia.

Nestes tempos, a cronica cegueira coletiva dos extremistas vermelhinhos que ignoram e depreciam as mudanças evidentes trazidas pelo novo governo ao país só tem um nome:

Suicídio.

Marco Angeli Full

https://www.marcoangeli.com.br

Artista plástico, publicitário e diretor de criação.

Comentários