Dória, que tentou assumir o papel de “anti-Lula”, também se beneficiou da corrupção petista

Tudo junto e misturado!

Logo no início dos eventos de abertura da caixa-preta do BNDES, uma aparição surpreendente.

O governador de São Paulo, João Dória Júnior.

O político tucano financiou junto ao BNDES, durante as gestões do PT, um jatinho pela bagatela de R$ 44 milhões.

A transação foi lesiva aos cofres públicos.

A área técnica do banco calculou em R$ 700 milhões – em valores corrigidos – os subsídios para essas operações de financiamento de jatinhos para amigos do poder.

Justo ele, Dória, que oportunisticamente tentou se colocar como alternativa para a sucessão presidencial, atacando com veemência o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Mera encenação.

Hoje se vê que tanto o presidiário quanto o governador bebiam na mesma fonte.

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários