A sujeira do PT dentro do BNDES e a responsabilização cível e criminal dos envolvidos

Em poucos dias, após ter assumido, o novo Presidente do BNDES, Gustavo Montezano, cumprindo determinação do Presidente Bolsonaro, no sentido de abrir a “caixa-preta” dessa entidade, já anunciou o escândalo do financiamento de 124 jatinhos da EMBRAER, entre 2003 e 2014, com JUROS SUBSIDIADOS, que variam entre 2,5 % e 8,7% ao ano, favorecendo políticos, banqueiros, empresários, artistas e advogados, todos eles ligados, de uma forma ou outra, direta ou indiretamente, aos governos de Lula da Silva e Dilma Rousseff, ambos do PT.

A operação “campeã” desse escândalo ficou por conta do empresário Michael Klein, dono das Casas Bahia, que adquiriu financiado um jatinho executivo da Embraer, através do BNDES, por 77,8 milhões de reais.

Nessas operações de escancarado favorecimento a quem não precisa, o banco público teria dispendido a quantia total de 1,9 bilhão de reais, em operações financeiras “casadas” com bancos privados, assumindo prejuízos estimados em 700 milhões de reais, já que os referidos bancos privados jamais assumiriam qualquer operação com prejuízo, deixando esse “fardo” por contado BNDES, que é público.

Ora, como os juros ANUAIS cobrados desses “peixes” dos governos do PT (2,5% a 8,7% ao ano) equivalem ao que é pago pelo “comum-dos-mortais”, MENSALMENTE, nas suas operações de empréstimo/crédito/ financiamento, é evidente que esses favorecimentos ilícitos a privilegiados têm o “tamanho” da diferença entre um e outro, configurando irregularidades que devem gerar responsabilização, não só criminal, como também cível, correspondente à devolução dos valores desses favorecimentos pelos responsáveis.

O que não resta nenhuma dúvida é que houve CORRUPÇÃO nessas operações ilícitas, tanto ativas, quanto passivas, que devem ser apuradas pelas autoridades.

Sérgio Alves de Oliveira

Advogado, sociólogo,  pósgraduado em Sociologia PUC/RS, ex-advogado da antiga CRT, ex-advogado da Auxiliadora Predial S/A ex-Presidente da Fundação CRT e da Associação Gaúcha de Entidades Fechadas de Previdência Privada, Presidente do Partido da República Farroupilha PRF (sem registro).

Comentários