Queimadas estão dentro da média dos últimos 15 anos, segundo a NASA

Segundo o site Earth Observatory (Observatório da Terra) da Agência Espacial Americana, a NASA, as queimadas para o mês de agosto de 2019 estão dentro da média dos últimos 15 anos.

Em um artigo intitulado Fires in Brazil (Queimadas no Brasil), diferentemente do alarmismo feito pela extrema imprensa brasileira, a instituição explica que incêndios florestais na região amazônica são raros devido ao tempo úmido. Porém, nos meses de julho e agosto, este cenário muda devido à chegada da estação seca e a quantidade de queimadas aumenta. O pico geralmente acontece em setembro e elas normalmente terminam em novembro. Portanto, é provável que o alarmismo que tenta atrelar a administração Bolsonaro à uma suposta destruição da Amazônia deve continuar pelo menos por mais algumas semanas, já que a quantidade de queimadas deve aumentar.

O artigo afirma ainda que desde 16 de agosto, as queimadas se encontram dentro da média dos últimos 15 anos. Enquanto em alguns estados os números estão ligeiramente acima da média, como é o caso do Amazonas e de Rondônia, em outros os números se encontram abaixo da média, como no Mato Grosso e no Pará.

No site do Global Fire Emission Database (Banco de dados global de emissões de incêndios) é possível ver diversos gráfico interativos que demonstram cristalinamente não haver nada de anormal acontecendo na Amazônia. O projeto compila e analiza dados da NASA.

Ao que tudo indica, todo o alarde não passa de alarmismo oportunista de "ambientalistas xiitas" e usuários desinformados em redes sociais.

Que interesses estão por trás disso?

da Redação

Comentários