Macron apoiou projeto que previa desmatamento de milhares de hectares com mais de 120 espécies protegidas na Amazônia

A preocupação do presidente francês Emmanuel Macron parece ser bem seletiva, manifestando-se apenas quando os adversários políticos estão sendo fritados por problemas ambientais.

Nesta quinta-feira, o francês foi ao Facebook exigir uma discussão no G7 sobre as queimadas na Amazônia. O convite vem alinhado ao turbilhão de acusações infundadas contra a administração de Jair Bolsonaro e do Ministro do Meio Ambiente, Ricado Salles.

Macron, que agora se vende como um arauto da preservação ambiental, no entanto, não tinha tão nobres virtudes há pouco mais de um ano atrás. O presidente francês apoiou a Montagne d'Or (Montanha do Ouro), um projeto de mineração na Guiana Francesa com potencial de desmatamento de 1513 hectares. Segundo a WWF, mais de 2 mil espécies vegetais e animais seriam afetadas na região, sendo 127 protegidas. A organização também apontou o fato de que as mineradoras em questão pretendiam utilizar cianeto no processo de mineração, componente químico cujo Parlamento Europeu solicitou banimento completo da indústria de mineração em 2010.

Os apoiadores do projeto argumentam que a iniciativa geraria cerca de 750 a 900 empregos diretos, um atrativo para a população local, onde a taxa de desemprego entre os jovens gira em torno dos 24% e dos 40%, dependendo da fonte.

Para Macron, o projeto “em seus fundamentos, pode ser bom para a Guiana. Desejo que a Guiana consiga se sair bem com suas próprias qualidades e não estou aqui para impedi-la”, declarou o presidente da República em uma visita à região.

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários