Lula inaugura a prisão perpétua no Brasil (?)

Tiro no casco

Quem me conhece sabe bem que não sou chegado a comentar publicações contidas em folhetins como o brasil 247 igual a 13.

Afinal, minha coluna não é pinico.

Mas, em se tratando do monumental tiro no casco que é esta entrevista com lula (do dia 16 de agosto), o embusteiro, nesse conceituado veículo da esquerda pensante, é impossível resistir.

A vida cotidiana e os disparates do homenzinho preso, sejam quais forem, parecem ser a obsessão e a razão da existência do dito veículo de informação -vamos chamá-lo assim - que é recheado literalmente de matérias sobre luladasilva.

Tudo o que lula expele - de um impropério contra seus inimigos a gases fétidos - é alegremente registrado e publicado pelo 247 igual a 13.

Assim foi com uma entrevista concedida à outro jornaleiro, Bob Fernandes, onde o homenzinho chama Deltan Dallagnol de moleque, afirma que a mulher de Moro manda no ministro e diz que Paulo Guedes quer destruir a economia brasileira.

E a pérola: afirma que ‘fica preso até provar que Moro é bandido.’

Traduzindo, significa que acaba de oficializar, como ex presidente, a pena de prisão perpétua no Brasil.

E melhor: se oferece como voluntário.

Talvez - e apenas talvez - passe pela cabeça do criminoso que é hora de se redimir e finalmente fazer algo de bom pelo país e pelo povo que roubou tanto.

Se for, a ideia é louvável.

Entretanto, para os jornaleiros de aluguel do 247, que não sabem das boas e secretas intenções desse anão moral, resta apenas o mico de terem publicado a tal entrevista.

Que é um autêntico tiro no casco.

Aliás, se lula pretendia mesmo sair livre e vitorioso da cadeia, já deve ter tirado seu cavalinho da chuva, onde sofre há mais de 500 dias.

O meliante e seus comparsas que se conformem: liberdade é só pra inocentes.

Ao menos fora da cartilha do Gilmar e sua gangue de toga.

*Em tempo: obrigado ao 247. Isso sim é que é dar uma boa notícia ao povo brasileiro

Marco Angeli Full

Artista plástico, publicitário e diretor de criação.

Comentários