TV JCO - A Cultura da Corrupção: Os anões do orçamento (Veja o Vídeo)

A TV Jornal da Cidade Online estreia a série "A Cultura da Corrupção".

Nenhum político corrupto será esquecido, nem os bilhões perdidos pela população na primeira série jornalística apresentada pela TV Jornal da Cidade Online.

A Cultura da Corrupção mostrará toda a roubalheira dos políticos criminosos desde a redemocratização da República até os dias atuais, começando, neste primeiro episódio, com o caso dos Anões do Orçamento.

Em 1993, a CPI dos Anões do Orçamento investigou 37 parlamentares pelo suposto envolvimento nas fraudes de desvio de dinheiro por meio de entidades sociais fantasmas e empreiteiras corruptas. Foi pedida a cassação de 18 deles, mas apenas seis perderam os mandatos:

Carlos Benevides (MDB-CE)
Fábio Raunhetti (PTB-RJ)
Feres Nader (PTB-RJ)
Ibsen Pinheiro (MDB-RS) - Foi presidente da Câmara durante o processo de impeachment de Collor. Chegou a ser cassado.
José Geraldo (MDB-MG) – Foi cassado na Câmara.
Raquel Cândido (PTB-RO) – Foi presa anos depois por causa de uma briga envolvendo R$ 2,5 mil reais.

Quatro outros renunciaram antes:

Cid Carvalho (MDB-MA) - Era ele que fazia o esquema com as empreiteiras.
Genebaldo Correia (MDB-BA) – Renunciou para não ser cassado e continuou na vida pública.
João Alves de Almeida (PFL-BA) – Morreu de câncer em 1994.
Manoel Moreira (MDB-SP) – Renunciou para não ser cassado e trabalhou como advogado.

Nove foram absolvidos:

Aníbal Teixeira (PTB-MG)
Daniel Silva (PPR-RS)
Ézio Ferreira (PFL-AM)
João de Deus Antunes (PPR-RS)
Flávio Derzi (PP-MS)
Paulo Portugal (PP-RJ)
Ricardo Fiúza (PFL-PE) – Morreu de câncer em 2005.
Ronaldo Aragão (MDB-RO) - Faleceu de parada cardíaca em 1995.
Geddel Vieira Lima (MDB-BA) – Ainda era jovem quando supostamente participou do esquema dos Anões do Orçamento. Em 2017, foi preso após a apreensão de mais de 51 milhões de reais em espécie em um apartamento.

Mais detalhes sobre os envolvidos:

Edison Lobão – Foi citado nas denúncias, mas conseguiu escapar. Foi ministro das Minas e Energia no primeiro mandato de Lula, e depois no governo de Dilma Roussef.

Joaquim Domingos Roriz – Foi acusado em um esquema de desvios de recursos do Distrito Federal, condenado, e renunciou à candidatura em 2010, colocando a esposa em seu lugar.

José Carlos Alves dos Santos – Foi o delator do esquema.

Margarida Procópio – Foi ministra da Ação Social do governo Collor.

Carlos Chiarelli – Foi Ministro da Educação no governo Collor.

da Redação

Comentários