Desvendado o golpe na PF: delegado com passado turbulento teria direcionado inquérito para incriminar Hélio Negão

A Polícia Federal já conseguiu detectar o principal suspeito de direcionar uma apuração de crime previdenciário visando atingir o deputado Hélio Negão, amigo pessoal do Presidente da República.

O nome de Hélio Negão teria sido incluído indevidamente, pois, na realidade, o verdadeiro envolvido é um homônimo do deputado.

Porém, tudo indica que o delegado Leonardo Tavares, lotado na Delegacia de Repressão a Crimes Previdenciários (Deleprev) no Rio de Janeiro, tenha realizado a inclusão indevida do nome do parlamentar no inquérito, com o objetivo de fragilizar o superintendente da Polícia Federal, delegado Maurício Valeixo.

Tavares tem uma trajetória turbulenta na PF e já respondeu a diversos procedimentos disciplinares em razão de sua conduta. Em um deles, chegou a ser suspenso por ofender e “faltar com urbanidade” em relação a uma colega delegada.

De acordo com reportagem do Estadão, “segundo mapeamento feito pela PF, Tavares é ligado a um grupo do qual faz parte o delegado Victor Poubel, que tem longa trajetória na superintendência fluminense e, segundo colegas, almeja comandar a unidade regional da corporação.

O grupo também contaria com o delegado Hélio Khristian Almeida, que foi alvo de busca e apreensão por suspeita de atuar para despistar as investigações do caso Marielle Franco.”

O ministro Sérgio Moro determinou, então, a “imediata apuração dos fatos no âmbito administrativo e criminal, com a identificação dos responsáveis”.

O ministro ainda pediu para ser “mantido informado sobre os desdobramentos”.

Fonte: Estadão

da Redação

Comentários