A complicada situação jurídica do repórter da Revista Época

Sobre o caso da nora do Presidente: o jornalista pode ter cometido crime de FALSIDADE IDEOLÓGICA.

O canalha não pode alegar imunidade profissional para praticar crimes, e nem se esconder atrás da liberdade de imprensa.

É SÓ PROCESSAR ESSE PILANTRA e tentar uma condenação criminal rápida, para servir de exemplo.

Vejam a encruzilhada em que o jornalista criminoso está: ele terá que assumir que É GAY MESMO, senão confessará a armação, a mentira, o engodo de sua parte, e ficará caraterizado o dolo na sua ação de enganar a vítima.

Por outro lado, se ele disser que NÃO É GAY, acabará comprovando que foi “curado” pela psicóloga, já que se apresentou a ela como homossexual.

Ele não é apenas um criminoso travestido de jornalista. Ele é uma pessoa que sofre de déficit de inteligência.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários